Consenso entre Lula,Serra e Aécio abre espaço a fim da reeleição

REUTERS

BRASÍLIA - Três das principais figuras políticas com influência na disputa eleitoral de 2010 estão afinadas sobre o fim da reeleição no país. O presidente Luiz Inácio Lula da Silva e os governadores tucanos José Serra (SP) e Aécio Neves (MG) não só falam a mesma língua sobre o tema como jogaram para o Congresso a articulação da proposta.

O consenso entre eles, segundo avaliação de políticos, cria condições favoráveis à condução desse debate. Mais, é um condimento conveniente à pacificação do PSDB, hoje dividido entre os dois tucanos, potenciais candidatos do partido ao Palácio do Planalto em 2010.

- Há um ambiente propício. Os três concordam. Isso é apenas o início de um longo processo. Agora, é um nó difícil de desatar', disse à Reuters o deputado Jutahy Magalhães (PSDB-BA), reconhecendo as dificuldades de levar o projeto adiante.

Apesar dos movimentos favoráveis, o maior partido da oposição está dividido em relação ao assunto. Tucanos temem que o governo, com maioria absoluta na Câmara, não cumpra o acordo e consiga uma brecha para um terceiro mandato de Lula.

Emissários do PT junto à oposição garantem que não há perigo de traição. O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso já avisou que não quer pagar para ver.

A concordância entre os três líderes políticos é mais ampla. Além de acabar com o dispositivo constitucional, todos eles defendem a extensão do mandato presidencial para cinco anos.

Nesta quarta-feira, por meio de seu porta-voz, o presidente Lula afirmou que o debate 'não está na pauta do governo'.

- O presidente não tomará nenhuma iniciativa a respeito do debate atual sobre o fim da reeleição - disse a jornalistas o porta-voz Marcelo Baumbach.

- Na opinião do presidente, cabe aos políticos e ao Congresso Nacional deliberar sobre a questão - acrescentou Baumbach, lembrando que Lula, 'historicamente,' é contrário à reeleição e a favor da extensão do mandato em um ano.

Mais cedo, Serra foi na mesma linha. Em visita ao Congresso Nacional, ele admitiu a simpatia pela revisão da regra, mas jogou a articulação do assunto para o Parlamento. Na véspera, Aécio Neves já havia se manifestado nesse sentido.

Segundo interlocutores, Aécio e Serra vivem tempos de paz. A proposta de acabar com o instituto da reeleição foi um importante ingrediente para o armistício. A idéia é lançar um deles em 2010 com a garantia de que o outro seja o candidato do partido na disputa seguinte. O que não combinaram, porém, é quem seria o primeiro a concorrer.

O fim da reeleição está previsto em proposta de emenda constitucional (PEC) apresentada em 2006 pelo deputado Jutahy Junior (PSDB-BA).

Os presidentes do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), e da Câmara, Arlindo Chinaglia (PT-SP), também concordam com a alteração legal.