PF diz que presos estão sendo tratados sem "privilégio"

Agência Brasil

BRASÍLIA - Todos os 25 suspeitos detidos na Operação Furacão estão sendo tratados dentro dos 'procedimentos de rotina', segundo a superintendente da Polícia Federal (PF) em Brasília, Valquíria Souza Teixeira de Andrade. A operação, realizada pela PF na última sexta-feira, deteve empresários, desembargadores, policiais federais, juízes, advogados, empresários do jogo e diretores de escola de samba. Eles são suspeitos de envolvimento na exploração de jogos ilegais.

A superintendente afirma que não há 'privilégio, independente da classe, gênero ou profissão'.

Os advogados de alguns dos suspeitos reclamaram da forma como seus clientes estão sendo tratados. A Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) entrou com ação nesta segunda-feira pedindo, entre outras coisas, cela especial para os suspeitos com curso superior completo. A superintendente afirmou que os suspeitos 'têm de aceitar as celas especiais que temos'.

A maioria dos 32 presos que estavam nas sete celas da Superintendência da PF em Brasília foram transferidos para a chegada dos 25 suspeitos presos na Operação Furacão.