Jornal do Brasil

País - Justiça

Lava Jato denuncia Lula, de novo, por caso no qual ele foi absolvido pela justiça do DF

Jornal do Brasil

Macaque in the trees
Lula diz que os procuradores da Lava jato são suspeitos (Foto: Ricardo Stuckert/Divulgação)

A força-tarefa da Operação Lava Jato no Paraná denunciou o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva pela quarta vez. Desta vez, o Ministério Público Federal acusa o petista de lavagem de dinheiro da construtora Odebrecht por meio de doações para o Instituto Lula. A denúncia tem como base delação de Antônio Palocci, que a Justiça do DF decretou ter sido feita com base em notícias de jornais, absolvendo o ex-presidente.

Segundo a procuradoria, entre dezembro de 2013 e março de 2014, foram pagos R$4 milhões para o Instituto Lula em uma espécie de "conta corrente" de propina com origem em obras na Petrobras na época dos governos petistas. 

A força-tarefa ainda informa que os valores foram repassados em quatro operações diferentes, cada uma na quantia de R$1 milhão.

No processo, o MPF cita a existência de contas correntes entre a Odebrecht, a empreiteira OAS e o PT, nas quais eram movimentados valores milionários para a aquisição e reforma de imóveis em favor de Lula.

De acordo com os procuradores, Marcelo Odebrecht determinou que o dinheiro fosse repassado por meio de doação ao instituto, a pedido do próprio ex-presidente e Okamotto. O objetivo era disfarçar a operação ilegal.

A movimentação foi registrada na planilha "italiano" e na subconta "amigo", que eram controladas por Odebrecht. As autoridades brasileiras explicam que os "códigos" fazem referência a Palocci e Lula.

A defesa do ex-presidente, no entanto, explicou que as doações estão "devidamente documentadas por meio de recibos emitidos pelo Instituto Lula — que não se confunde com a pessoa do ex-presidente — e foram devidamente contabilizadas".

"A Lava Jato mais uma vez recorre a acusações sem materialidade contra seus adversários, no momento em que a ilegalidade de seus métodos em relação a Lula foi reconhecida recentemente em pelo menos 3 julgamentos realizados pelo Supremo Tribunal Federal", acrescenta a nota.

A nova denúncia, que tem como base trechos da delação premiada de Palocci e de provas colhidas em ações de busca e apreensão, já é de responsabilidade do novo coordenador da Lava Jato no Paraná, Alessandro Oliveira. Ele assumiu após Deltan Dallagnol deixar o cargo no início do mês.(Com agência Ansa)