Advogado da família Bolsonaro disse que nunca falou com Queiroz e que também não é 'Anjo'

O advogado Frederick Wassef, dono do escritório em Atibaia, no interior de São Paulo, onde Fabrício Queiroz foi preso na quinta-feira (18), disse que é uma vítima de uma armação para incriminar o presidente Jair Bolsonaro.

Macaque in the trees
Frederick Wassef (Foto: Reuters / Adriano Machado)

Defensor do senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ) no caso das "rachadinhas", Wassef se negou em entrevista ao jornal Folha de S.Paulo que tenha abrigado Queiroz e que manteve contatos com a família do ex-assessor.

"Nunca telefonei para Queiroz, nunca troquei mensagem com Queiroz nem com ninguém de sua família. Isso é uma armação para incriminar o presidente", afirmou.

A operação que prendeu Fabrício Queiroz foi batizada de operação Anjo, em referência ao suposto apelido que Wassef possui dentro da família Bolsonaro. O advogado nega o codinome.

"Não sou o Anjo", afirmou.

Segundo Wassef, Queiroz foi submetido a duas cirurgias na Santa Casa de Bragança Paulista, no interior de São Paulo.

"Não é verdade que tenha passado um ano no meu escritório", disse.

O advogado da família Bolsonaro disse que seu escritório estava em obras.

"Não escondi ninguém", acrescentou Wassef. "Estão me atribuindo coisas que não fiz. O escritório estava vazio. Os móveis estavam do lado de fora da casa. Tudo estava fora do lugar", afirmou.

Wassef possui pelo menos nove procurações para advogar para a família Bolsonaro. Três de Jair Bolsonaro, três de Flávio Bolsonaro e outras três pelo vereador Carlos Bolsonaro (Republicanos-RJ). (Sputnik Brasil)