Haddad conta com voto declarado de Ciro Gomes

Pedetista chegou da Europa e deve gravar vídeo para redes sociais

Como parte da tentativa de virar votos até o último minuto da votação do segundo turno, o candidato do PT, Fernando Haddad, disse ontem que espera uma declaração “dura” de apoio do ex-governador do Ceará, Ciro Gomes (PDT), a seu favor na disputa contra o adversário Jair Bolsonaro (PSL). Em terceiro lugar no primeiro turno de votação, Ciro viajou para a Europa sem declarar apoio explícito a Haddad. Diante da possibilidade de virar votos, o próprio candidato petista tem feito apelos ao pedetista, que retornou ontem à noite ao país.

“Tenho maturidade suficiente para entender o comportamento das pessoas, e na política você sempre tem que ter postura de acolhida, sobretudo com quem pensa parecido com você. O Ciro é meu companheiro de longa data. Tenho certeza que ele vai fazer uma fala dura nesta reta final e nos vamos vencer juntos”, disse o candidato do PT, em entrevista à Rádio Super Notícia, de Minas Gerais.

Macaque in the trees
Haddad diz que "o povo vai acordando para o tiro no escuro que é Bolsonaro" (Foto: Rovena Rosa/Agência Brasil)

A gravação do vídeo de apoio foi confirmada pelo presidente do PDT, Carlos Lupi, que afirmou que o pedetista vai declarar voto e dar um apoio mais enfático ao presidenciável do PT. “Ele (Ciro) já declarou (voto no Haddad), vai reforçar isso. Eu estou indo para o Ceará para conversar com o Ciro para saber como vamos fazer, mas que a gente vai fazer, vai. Não sei dá tempo para isso (fazer ato público ou subir no palanque), mas para a rede social nós vamos gravar um vídeo sobre isso”, disse Lupi.

A menos de 48 horas do início da votação de segundo turno nas eleições 2018, o candidato do PT manteve as críticas ao adversário, que não foi aos debates previstos pelas emissoras de televisão. “O povo vai acordando para o tiro no escuro que é Bolsonaro. Ele chama de estratégia não ir aos debates. Eu nunca vi alguém que se diz do Exército dizer que a estratégia é se esconder, fugir. Ele não honra nem as Forças Armadas, que diz pertencer.”

Nas redes sociais, Haddad pediu que os eleitores não se de deixem guiar pelo “ódio e pela mentira”. “Sou um professor que vive de salário, com 18 anos de serviços prestados ao Brasil. Vamos virar essa eleição, corrigir os erros e retomar os acertos. O ódio não vai levar o Brasil a lugar nenhum” , ressaltou. Sobre reportagem do jornal ‘Valor Econômico’, que mostra pesquisa da empresa Atlas Político que indica que mais de um terço do eleitorado foi influenciado por notícias falsas contra o PT, Haddad disser ser um “gravíssimo atentado contra a democracia”. “E nosso adversário segue tentando manipular a vontade do povo com mentiras e desinformação. Não vai conseguir.”

A queda de Bolsonaro nas pesquisas de intenção de votos e o crescimento de Haddad, principalmente nas capitais, animou o comando da campanha petista e a militância. Nos últimos dias, apoiadores da candidatura de Haddad foram às ruas em diversas cidades na tentativa de virar votos. O presidenciável petista também intensificou a campanha de rua no Nordeste, onde passou os dois últimos dias. No sábado, Haddad encerra a campanha na favela de Heliópolis, em São Paulo.