Jornal do Brasil

País - Eleições 2018

Bolsonaro e Haddad: dois programas opostos para o Brasil

Jornal do Brasil

O candidato da extrema direita Jair Bolsonaro (PSL) e seu adversário da esquerda, Fernando Haddad (PT), que vão disputar o segundo turno para a Presidência da República neste domingo, 28 de outubro, têm propostas diametralmente opostas para o país.

 

- JAIR BOLSONARO, 63 anos - ex-deputado federal, capitão do Exército na reserva - Lema: "Brasil acima de tudo, Deus acima de todos"

- FERNANDO HADDAD, 55 anos - Ex-ministro da Educação (2005-2013) - Ex-prefeito de São Paulo (2013-2016) - Partido dos Trabalhadores (PT) - Lema: "O povo feliz de novo".

BOLSONARO

. Redução da dívida pública em 20% mediante privatizações, concessões e venda de propriedades da União.

. Criação de um sistema paralelo de aposentadoria por capitalização.

. Criação de um super-ministério da Economia, reunindo os atuais da Fazenda, Indústria e Planejamento. Contudo, ele afirmou recentemente que o da Indústria poderia ser mantido a parte.

HADDAD

. Revogação do congelamento do gasto público e da flexibilização da legislação trabalhista, aprovadas pelo governo de Michel Temer.

. Interromper as privatizações.

. Redução da dívida graças ao "retorno do pleno emprego" e medidas contra a evasão fiscal.

BOLSONARO

. Flexibilizar a legislação sobre o porte de armas.

. Reduzir a maioridade penal de 18 para 17 anos.

. "Proteção jurídica" aos policiais que matarem suspeitos com sua arma em serviço.

. "Tipificar como terrorismo as invasões de propriedades rurais e urbanas".

 

HADDAD

. Mudança radical da política atual antidrogas, "errônea, injusta e ineficaz", tomando como exemplo a experiência de descriminalização de outros países.

"A política de controle de armas e munições deve ser aprimorada, reforçando o rastreamento" do armamento.

. Melhor coordenação dos serviços de inteligência para lutar contra o crime organizado

BOLSONARO:

. "Propomos um governo decente, diferente de tudo aquilo que nos jogou em uma crise ética, moral e fiscal".

. Diminuir para 15 o número de ministérios, a fim de limitar os arranjos entre partidos.

HADDAD:

. Ele defende "maior transparência e prevenção à corrupção", mas considera que "a pauta do combate à corrupção não pode servir à criminalização da política".

 

BOLSONARO:

. "Deixaremos de louvar ditaduras assassinas e desprezar ou mesmo atacar democracias importantes como EUA, Israel e Itália".

 

HADDAD:

. "O Brasil deve retomar e aprofundar a política externa de integração latino-americana e a cooperação sul-sul (especialmente com a África), de modo a apoiar, ao mesmo tempo, o multilateralismo, a busca de soluções pelo diálogo e o repúdio à intervenção e a soluções de força".

 

BOLSONARO:

. Ele preconiza uma renovação dos programas escolares, com "mais matemática, ciências e português, sem doutrinação e sexualização precoce". Quer abrir escolas administradas pelos militares.

 

HADDAD:

. Propõe programas com "uma perspectiva inclusiva, não-sexista, não-racista e sem discriminação e violência contra LGBTI+ na educação e demais políticas públicas".

 

BOLSONARO:

. O programa de Bolsonaro não menciona o aborto, que, no país, é autorizado em caso de risco para a vida da mãe ou de fetos com anencefalia. O candidato prometeu vetar qualquer tentativa de flexibilização desta lei.

 

HADDAD:

. O programa do PT tampouco faz referência ao aborto. Em 11 de outubro, após visitar a sede da Confederação Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), Haddad destacou sua concordância com temas que a Igreja Católica considera essenciais, como a preservação da vida.

 

BOLSONARO:

. Não há nenhuma menção no programa de Bolsonaro aos direitos dos LGBTI (Lésbicas, Gays, Bissexuais, Transgênero, e Intersexuais). Várias de suas declarações foram abertamente homofóbicas.

. Na campanha tentou se mostrar mais amigável. Em uma entrevista recente a uma rádio de Pernambuco, disse respeitar as opções de adultos e declarou: "Os homossexuais serão felizes se eu for presidente".

 

HADDAD:

. O programa de Haddad tem um capítulo intitulado "Promover a cidadania LGBT+", que propõe a "criminalização da LGBTIfobia" e promete criar iniciativas de inserção educativa e trabalhista "a pessoas travestis e transexuais em situação de vulnerabilidade".

 

BOLSONARO:

. O candidato do PSL, que conseguiu apoio da bancada do agronegócio no Congresso, propõe em seu programa reunir os ministérios da Agricultura e do Meio Ambiente, ainda que recentemente tenha dito que poderia voltar atrás nessa questão. As palavras desmatamento, Amazônia e aquecimento global estão ausentes do documento.

 

HADDAD:

. O programa de Haddad se propõe a chegar a uma "taxa zero de desmatamento até 2022, sem reduzir a produção agropecuária "graças a um uso mais eficiente" das terras de cultivo e do pasto.

. Também se propõe a iniciar uma transição para "uma economia justa e de baixo carbono, contribuindo decisivamente para conter aquecimento global".

 

 



Recomendadas para você