Jornal do Brasil

País - Eleições 2018

Bolsonaro reafirma fusão de ministérios

Jornal do Brasil

O candidato Jair Bolsonaro (PSL), confirmou neste domingo, dia 21, que, se eleito, pretende fundir os Ministérios do Meio Ambiente e da Agricultura. "Até o momento está garantida esta fusão. O ministro será indicado pelo setor produtivo, logicamente que a bancada do agronegócio terá seu peso nessa indicação". Segundo o candidato, a ideia deu certo em países que juntaram essas duas pastas. "O que não podemos continuar é com dois ministérios antagônicos."

A proposta é alvo de críticas de setores de exportação e do próprio agronegócio. Como mostrou o jornal O Estado de S. Paulo na semana passada, essa pressão fez a equipe técnica do candidato do PSL rejeitar uma fusão das pastas do Meio Ambiente e da Agricultura.

Nas últimas semanas, o grupo de campanha do PSL recebeu análises de especialistas em comércio exterior que preveem dificuldades com fornecedores da Europa se um possível governo confirmar o aniquilamento do Meio Ambiente e sinalizar para um aumento das taxas de desmatamento na Amazônia.

Um estudo que estava sendo preparado por auxiliares do presidenciável ressalta que órgãos como o Ibama e o Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) devem estar, num eventual governo, na estrutura de um superministério de infraestrutura ou se manter como pasta independente integrada ao sistema de defesa nacional.

Desde a pré-campanha, os auxiliares de Bolsonaro já trabalhavam com a perspectiva de que uma fusão era inviável administrativamente. Eles argumentam que área ambiental atua em temas de infraestrutura e energia, por exemplo, sem conexão com a Agricultura.

As críticas generalizadas levaram a equipe a descartar a integração. Mas a palavra final é de Bolsonaro e no domingo ele voltou a reafirmar sua intenção de fundir os ministérios.

Economia

Ainda no domingo, o candidato também disse, em vídeo publicado em seu Twitter, que colocou suas demandas econômicas - entre elas dólar competitivo, taxa de juros baixas e inflação na meta - na mesa e que o economista Paulo Guedes (cotado para ser ministro da Economia em um eventual governo PSL ) disse ser possível. "Queremos privatizar grande parte das estatais, tendo um olhar para os funcionários, levando em conta o que são empresas estatais satélites", afirmou, acrescentando que "Paulo Guedes disse que há condição de atingir o objetivo".

Segundo Bolsonaro, se deixar a carga tributária como está, "temos a certeza que o Brasil quebra, então temos que arriscar". "A desoneração (de impostos) tem que atingir de forma positiva todo setor produtivo brasileiro e não apenas alguns setores." As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

 



Recomendadas para você