Jornal do Brasil

País - Eleições 2018

Haddad diz estranhar que quem lutou pela redemocratização fique neutro na eleição

Jornal do Brasil

O candidato do PT à Presidência da República, Fernando Haddad, afirmou, em entrevista ao jornal El País, estranhar que "pessoas que lutaram pela redemocratização fiquem neutras diante de uma pessoa que 'manifestadamente' apoia a ditadura e a tortura". Foi o que ele respondeu ao ser questionado sobre sua percepção de que as instituições brasileiras não estão sólidas e sobre o fato de não ter recebido apoio de lideranças, como do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, apesar de o tucano ter se posicionado contra Jair Bolsonaro (PSL).

"As instituições no Brasil já não estão sólidas. E com uma figura como Bolsonaro à frente do Executivo, tudo pode acontecer. Inclusive ele ser expelido do sistema", afirmou Haddad, na entrevista. Segundo o petista, as propostas do candidato do PSL vão piorar a violência.

Sobre Venezuela, Haddad disse "não ter compromisso com nenhum regime autoritário" e que apoia a saída democrática.

O ex-prefeito paulistano voltou a dizer que houve falha de condução da política econômica no final do primeiro mandato da ex-presidente Dilma Rousseff, "seguido de sabotagem da oposição, do Eduardo Cunha e do Aécio Neves".

Sobre quem poderia ser o ministro da Fazenda em eventual governo do PT, Haddad afirmou que não citaria nomes, mas gostaria de alguém que tivesse a preocupação com geração de emprego. "Um banqueiro não está no meu horizonte. Porque banqueiro está preocupado com outra coisa. Não está preocupado em geração de emprego."

Perguntado a respeito de um eventual indulto, caso seja eleito, ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva - condenado e preso no âmbito da Operação Lava Jato -, Haddad afirmou que "é engraçado vocês me pedirem para me posicionar sobre algo que o presidente não está pedindo. Ele está pedindo um julgamento justo". O candidato petista disse também que "não vou ficar iludindo o eleitor de que eu não tenho vínculo com o Lula. Eu tenho. Fui ministro dele. Vou ouvi-lo quando eu achar conveniente".

Questionado se acredita que ainda é possível virar o cenário - diante do favoritismo de Bolsonaro para vencer o segundo turno da eleição presidencial - Haddad respondeu que "saiu de 4% das intenções de voto para 42% em 30 dias". "Não acho nada impossível a gente chegar em 50% em mais 15 dias."



Recomendadas para você