Jornal do Brasil

País - Eleições 2018

"Faltou controle interno das estatais. Diretores ficaram soltos para promover corrupção", diz Haddad

Candidato do PT admitiu erros do partido e afirmou que dirigente que errar "ter que ir para a cadeia"

Jornal do Brasil

O candidato do PT à Presidência, Fernando Haddad, reconheceu que faltou controle nas estatais durante o governo petista e que, por isso, houve casos de corrupção. "Faltou controle interno das estatais, isso ficou claro. Os diretores ficaram soltos para promover corrupção e enriquecer", disse, frisando ser um enriquecimento individual desses diretores. Instado a apontar culpados, o candidato disse que cabe à Justiça dar a palavra final, depois da conclusão do processo.

Na entrevista, Haddad admitiu a hipótese de prisão de dirigentes partidários caso confirmado o enriquecimento pessoal. “Aí é pior. Se algum dirigente comete erro, garantido o amplo direito de defesa, mas se concluir que alguém enriqueceu, tem que ir para a cadeia”, disse.

Macaque in the trees
Fernando Haddad (Foto: Ronaldo Silva/AE)

Haddad reforçou que a gestão dele no Ministério da Educação será um exemplo aos órgãos do governo se ele for eleito presidente da República.

"Não tivemos caso de corrupção no ministério que eu comandei durante seis, quase sete anos, porque tínhamos controladoria forte. Éramos um dos maiores orçamentos da República. Este mesmo tipo de controle à corrupção nós vamos ter nas estatais", afirmou o candidato.

Questionado sobre a necessidade de autocrítica às gestões petistas, Haddad disse que faz críticas rotineiramente. "Todo dia eu faço crítica a alguma coisa que foi feita equivocada mostrando o caminho para superar. Eu tenho de apontar os caminhos de superação", respondeu.

Equipe

O petista se esquivou de dar nomes da equipe ministerial que irá formar caso seja eleito. Questionado sobre pessoas que possam vir a compor gabinete dele, ele optou por fazer críticas a Paulo Guedes. O economista foi indicado por Jair Bolsonaro (PSL) para ser ministro da Fazenda, caso vença o pleito.

"Eu já falei o perfil que eu quero para a Fazenda e não é o perfil do Paulo Guedes. Banqueiros não estão preocupados com geração de emprego", afirmou, antes de encontro com coletivos culturais na Cohab Raposo Tavares, na zona oeste da capital paulista.

Nesta semana, em diversas entrevistas, Haddad afirmou que o ministro da Fazenda que ele deseja é alguém "comprometido com o setor produtivo".

À rádio CBN, na quinta-feira, o nome do empresário Josué Gomes da Silva foi levantado como opção pelo próprio candidato. De acordo com o petista, o filho do ex-vice-presidente José Alencar tem "condições e perfil" desejados por ele. 



Recomendadas para você