Jornal do Brasil

País - Eleições 2018

'Não vamos caminhar sem resolver o problema do déficit', diz economista de Dias

Jornal do Brasil

Economista da campanha do presidenciável Alvaro Dias (Podemos), Ana Paula de Oliveira defende forte ajuste das despesas do governo como condição para a retomada do crescimento. Ela propõe a adoção de um "limitador emergencial de despesas", com um corte de cerca de 10% nos gastos da União. "Nosso maior problema é o déficit público. Não conseguiremos caminhar sem resolvê-lo", diz.

Uma das metas é a reforma constitucional. Por que ela é necessária?

Para dar mais flexibilidade ao Executivo na administração das despesas. Mais de 90% das despesas já têm destino fixo. Nosso maior problema econômico é o déficit público. Não conseguiremos caminhar sem resolvê-lo. Temos de ajustar o orçamento para, em dois anos, no máximo, zerar a geração de déficit.

Como?

No primeiro ano, aplicar um limitador emergencial de despesas, com um corte que vai ficar muito perto de 10% das despesas atuais da União e distribuí-lo de acordo com a prioridade definida pela sociedade. O objetivo é chegar muito perto de zerar o déficit já no primeiro ano. Ao longo de 2019, a ideia é estabelecer um orçamento base zero: esquecer o orçamento que há hoje e analisar linha a linha os gastos da União.

A meta é crescer 5% ao ano. De onde esse crescimento virá?

Até meados da década de 1970, o Brasil era um dos países que mais cresciam no mundo. Mas precisamos primeiro resolver o problema das contas públicas. Temos de reformar a Previdência. A proposta é criar um fundo previdenciário com contas individualizadas e capitalizadas com ativos da União, inclusive as estatais que hoje existem. Em relação ao sistema atual, somos a favor de unificar as previdências privada e pública, estabelecer o mesmo limite de benefícios, de R$ 5 mil, e aumentar idade mínima.

Como cobrir o rombo do sistema previdenciário atual?

A partir do momento que tivermos sobra, porque vamos conter despesas públicas, cobriremos o déficit da Previdência. Infelizmente, não existe mágica.

Todas as estatais seriam privatizadas?

A maior parte deve ser privatizada ao longo do governo. Algumas terão de ser extintas, outras, talvez, virem concessões. Algumas precisarão ser desmembradas. Mas não restringiria a privatização de nenhuma.

Pode ser necessário aumentar impostos?

Não. Faremos ajuste das despesas. Não vamos aumentar alíquotas ou criar impostos.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

 



Recomendadas para você