Sem Bolsonaro no debate, candidatos evitam ataques e pregam pacificação

O debate entre os candidatos à Presidência da República promovido por TV Gazeta, Estadão, Jovem Pan e Twitter foi marcado pela defesa da não violência. Ao iniciar suas falas, Geraldo Alckmin (PSDB), Marina Silva (Rede) e Henrique Meirelles (MDB) enfatizaram a necessidade de se pacificar a sociedade, em referência ao atentado em que o candidato do PSL, Jair Bolsonaro, foi atingido por uma facada, na última quinta-feira, em Juiz de Fora (MG).

Macaque in the trees
Tv Gazeta promove debate nas eleições 2018 (Foto: instragram reprodução)

No primeiro bloco, os candidatos escolheram os rivais para responder às suas perguntas. Quase todas as questões se referiram a propostas dos adversários, exceto por Guilherme Boulos (PSOL), que partiu para o ataque a Meirelles.

"O compromisso da minha candidatura é enfrentar privilégios. O senhor vai enfrentar privilégios da sua turma?", perguntou Boulos, após se encerrarem os 30 segundos reservados à sua questão. Meirelles disse que criou 10 milhões de empregos durante o governo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e citou programas do governo do petista. Disse que, durante o governo de Michel Temer, foi responsável pela possibilidade de 2 milhões de empregos e prometeu que criar mais 10 milhões de empregos se for eleito, insinuando que Boulos não trabalha e não paga imposto.

Meirelles foi o primeiro a perguntar, escolheu Alckmin para responder à sua questão. "Como vamos mudar esse radicalismo que tanto prejudica o Brasil?", perguntou, mencionando o incidente "lamentável" contra Bolsonaro. "É necessário um grande esforço conciliador. Sempre que há um esforço de união nacional, de pacificação, que é o que eu defendo, a democracia consolida-se."

Meirelles criticou seu adversário: "O senhor prega a pacificação, no entanto quando Bolsonaro ainda estava na sala de cirurgia, seu programa o atacava fortemente. Isso não é uma atitude de radicalização?". O tucano afirmou que e emedebista "não viu" seu programa. "Nunca pregamos a violência. Sou contra qualquer tipo de radicalismo."

Próximo a perguntar, Ciro escolheu Marina, questionando-a sobre como reverter a evasão escolar. "É um momento difícil. Faltam duas candidaturas", disse a postulante da Rede, referindo-se à ausência de Bolsonaro e de um candidato petista na bancada. "Violência política não nos levará a lugar nenhum", disse Marina, emendando que prega uma "educação de qualidade, atual" e que o "desejo de aprender" tem de ser fomentado entre as crianças, "com foco na primeira infância, que ensina aprender a aprender".

Alckmin dirigiu sua pergunta a Alvaro Dias (Podemos). "Bolsonaro foi atendido na Santa Casa de Juiz de Fora, prontamente, muito bem atendido. Quais as propostas para as Santas Casas?" Dias respondeu que, em sua opinião, o que falta é boa gestão, não investimento, ao setor de saúde. "Alega-se falta de recursos, mas o que falta não é dinheiro, é boa gestão. O SUS é mal implementado", disse o candidato do Podemos. Alckmin prometeu "cobrar das seguradoras os serviços prestados", complementando orçamento das Santas Casas. Dias afirmou que a proposta do tucano parecia uma medida peculiar à prefeitura.

Dias perguntou a Boulos: "Os últimos governos beneficiaram os bancos e os banqueiros, o Brasil se tornou o paraíso dos bancos. Qual o tratamento que o senhor dará aos bancos?"

"Esse é um dos raros pontos que concordo com Alvaro Dias. Banco aqui faz o que quer. Vamos acabar com a farra dos bancos", disse o candidato do PSOL, prometendo diminuir juros "abusivos" da dívida pública e baixar juros do cartão e do cheque especial.

Marina Silva questionou Ciro sobre segurança. O pedetista falou em um "Sistema Único de Segurança" para o combate ao crime, federalização do enfrentamento à violência. Marina praticamente repetiu a proposta de Ciro, falando do mesmo "sistema único" de combate ao crime e do absurdo de o crime organizado comandar bandidos de dentro da cadeia.

 

Considerações finais

O bloco final do debate Estadão/TV Gazeta/Jovem Pan/Twitter foi usado pelos candidatos à Presidência para pregarem a pacificação do País e falaram sobre a necessidade de retomar o crescimento econômico.

Marina Silva (Rede) lembrou que este é o primeiro debate presidencial após o ataque ao candidato Jair Bolsonaro (PSL) e falou da necessidade de respeitar as ideias dos outros, mesmo quando elas são diferentes das nossas. "Nós não vamos chegar a lugar nenhum com o País dividido", afirmou.

Guilherme Boulos (PSOL) chamou atenção para a grave escalada de "ódio e violência" que permeia a eleição e lembrou do assassinato da vereadora Marielle Franco, do tiroteio contra a caravana do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e do ataque a Bolsonaro. "Eu prego um voto contra o sistema, este mesmo sistema que gera desigualdade e violência", disse.

Alvaro Dias (Podemos) afirmou que é candidato contra a "descrença que campeia o País". "Nós temos de romper com este sistema de governança que é uma fábrica de barões da corrupção", afirmou.

Geraldo Alckmin (PSDB) mencionou a vice Ana Amélia (PP-RS) e pregou a união do País. "Todas as vezes que o Brasil fez um esforço de união, nós tivemos um avanço civilizatório", disse. O tucano falou também da necessidade de reformar o Estado brasileiro.

Ciro Gomes (PDT) tentou fazer um aceno aos indecisos. "Se você tem um restinho de esperança aí, não decida agora. Veja se há coerência entre os candidatos e o que eles estão propondo", disse. O pedetista falou ainda da necessidade de criar empregos. "Estamos juntos nesta batalha", afirmou.

Henrique Meirelles (MDB) também tratou do desemprego e prometeu mais uma vez, se for eleito, criar dez milhões de postos de trabalho no País. "É só me chamar que vamos construir o Brasil que você quer", afirmou.