Celebrar o Natal

O Natal nos convida a refletir sobre a bondade de Deus

..
Credit.....

O Natal se tornou uma festa universal e até quem não acredita sente o encanto deste evento. Contudo, os cristãos sabem que o Natal é um acontecimento decisivo e não pode ser confundido. Diante do cenário de pandemia, e com as restrições sanitárias, muitas pessoas estão desanimadas e pensam que não poderão celebrar. Mas é importante que o Natal não seja reduzido a uma reunião social e consumista.

O Natal não pode se reduzir a uma festa onde as pessoas se reúnem, cheios de bons votos, mas pobres de fé. É necessário celebrar o Natal com todo o seu real significado. É necessário mudar a mentalidade mundana, incapaz de compreender o núcleo da nossa fé.

O Natal nos convida a refletir sobre a bondade de Deus, que veio ao nosso encontro para nos comunicar a Verdade que salva e para nos tornar participantes da sua amizade e da sua vida. Recebemos este dom de graça, sem o nosso mérito.

Recebemos este dom de graça através da simplicidade e da humanidade do Natal, e ele pode remover dos nossos corações e das nossas mentes o pessimismo que hoje se difundiu ainda mais por causa da pandemia. Podemos superar esta sensação de medo e incertezas na redescoberta de que aquele Menino humilde e pobre, escondido e indefeso, é o próprio Deus, que se fez homem para nós.

Um dom tão grande merece tanta gratidão! Acolher a graça é saber agradecer. Frequentemente, porém, as nossas vidas transcorrem alheias à gratidão. Hoje é o dia para nos aproximarmos do sacrário, do presépio, da manjedoura, e dizermos obrigado. Acolhamos o dom que é Jesus, para depois nos tornarmos dom como Jesus. Tornar-se dom é dar sentido à vida, sendo este o melhor modo para mudar o mundo: nós mudamos, a história muda, quando começamos a querer mudar não os outros, mas a nós mesmos.

O Papa Francisco também nos indica uma outra forma celebrar o Natal: meditar em silêncio diante do presépio. O presépio é uma catequese daquela realidade, do que foi feito naquele ano, naquele dia, que ouvimos no Evangelho. Temos a oportunidade de sermos novamente crianças, permanecer em contemplação da cena da Natividade, deixando que renasça em nós a admiração da forma simples como Deus quis vir ao mundo.

Se a pandemia nos obrigou a estar mais distantes, Jesus, no presépio, nos mostra o caminho para estarmos próximos. Que o Natal renove em nós a esperança por dias melhores. Um feliz e santo Natal!