Tweets contra a democracia? Ou viver sob a ordem legal da democracia?

..
Credit.....

Há poucos dias atrás, um senador do Partido Republicano disse que os Estados Unidos não era um “país de tweets” (postagens via “twitter”), mas um “país de leis”. Apesar de o senador Ben Bensey estar se referindo às atitudes do presidente Trump, ele lembrou-nos de uma frase que tem circulado no período pós-eleitoral daquele país, que pode servir para vários países do mundo: “Nós não somos um país de tweets. Somos um país de leis.”

Bensey estava se referindo às inúmeras mensagens do presidente Trump pelo “twitter”, contestando a vitória de Biden nas eleições presidenciais, pelas mais absurdas razões, quase todas elas rejeitadas pela Justiça. O senador reclamava da falta de atenção de Trump ao seu ofício de presidente, enquanto o país atravessa uma enorme crise na saúde pública, provocada pelo Covid-19 com mais de um quarto de milhão de mortos, situação que se traduz em uma crise sistêmica, como dizem os especialistas.

Com o alto poder de contaminação deste vírus, todas as dimensões da vida social são afetadas, da economia à cultura, passando pela segurança nacional, como que requerendo medidas governamentais imediatas e decisivas para deter o contágio – mesmo que impopulares. Enquanto isso, o presidente se afasta da cena pública de seu ofício e joga golfe, mantendo-se em silêncio, que ele quebra apenas com o uso do seu “twitter” para fazer as injustificáveis alegações de fraude nas eleições nas quais ele foi derrotado.

O fato dele se manter neste diapasão de absurdas mensagens sobre o funcionamento das regras eleitorais, com supostas trapaças, não se explica por seu temperamento, mas tem um objetivo claro de solapar a democracia dos EUA de uma maneira sórdida. Isto acabou levando o senador de seu próprio partido a defender a precedência das leis frente aos deletérios “tweets”.

Como já é sabido, a democracia depende de que a voz das urnas seja respeitada pelo candidato derrotado. E, mais que isso, numa democracia bipartidária como a dos Estados Unidos, a oposição também governa.

Para o partido – e para todos - é melhor ouvir a voz do senador.

Eduardo R. Gomes é professor de Ciência Política da UFF.