Apesar e a despeito de tudo, a vida é bonita!

Em uma reação compreensível e comum em face de outras expressões de raiva, desespero, desesperança, permito-me focar e convidar meus leitores também para manifestações de beleza, de esperança de beatitude.

Por que não nos determos em imagens tão lindas quanto as de uma criancinha com brilho deslumbrante nos olhinhos por ter reconhecido a aproximação da figura da mãe, do pai ou de qualquer outra face que lhe é amiga e gratificante. E por que não nos lembramos do violinista Itzhak Perlman emitindo sons divinos e paradisíacos através de seu violino STRADIVARIUS (Não tenho certeza, mas é provável que seja) derramando sua alma, seu coração ao interpretar, por exemplo, a canção clássica do riquíssimo cancioneiro musical judaico, “A IDISCHE MAME (A mãe judia)”.Não me recordo de alguma vez ter ouvido esta canção cantada ou interpretada, sem que lágrimas escorram suave e tristemente pelas minhas faces. O mesmo ocorria, segundo eu me lembre, com o meu pai querido, homem sensível, inteligente autoditática. Sua mãe chamava-se Raquel e em sua lembrança que me chamo Raquel.

Prosseguindo neste discurso nostálgico e reconfortante, o que me dizem de nos lembrarmos de um suave e poético por de sol, no final da praia do Leblon, com as duas pedras da Gávea no fundo?

Sem temer que algum tom meio piegas possa vir a permear estas lembranças, prossigamos na afirmação de que, apesar de tudo, apesar dos muitos pesares, a vida enseja e nos presenteia com momentos tão lindos!!!

Creio que a emoção e o encantamento que perpassam e transbordam dos corações de filhos já maduros ao verem, por exemplo, seus netos pequenos acariciando e beijando sua velha mãezinha, com a sua linda cabeleira de prata, acariciando a bisavó velhinha emocionam profundamente aqueles e aquelas que por ventura, estejam testemunhando esta cena. E quanto ao deslumbramento de um concerto de orquestras monumentais sob a regência de maestros talentosíssimos que proporcionam aos felizes espectadores momentos de incomparável prazer?

Eu, por exemplo, me transporto totalmente, para uma outra esfera, uma outra dimensão. É muito gratificante ser melômana e que tem a grande ventura de assistir a inesquecíveis concertos de música clássica, com solistas de renome internacional. E não é exclusividade da boa música erudita proporcionar tamanho prazer. A música dita popular, mas quando é boa a música, popular nos emociona, “derrete” nossos corações, nos enternece e nos conforta.

Um adágio do compositor ALBIGNONE pode comover tanto quanto um samba de Pixinguinha. Cartola com o seu lindo samba “Carinhoso”, pelo menos a mim, emociona tão igualmente quanto “A morte do cisne”, do Lago dos Cisnes, do compositor russo, TCHAIKOVSKY. E o que dizer do mesmo compositor CARTOLA autor a meu ver, de uns dos mais belos versos da poesia popular brasileira, quando afirma que As rosas não falam, elas simplesmente exalam o perfume que roubam de ti. Nesta altura do artigo quando rememoramos pérolas do cancioneiro popular brasileiro, permitam que eu confesse uma veleidade minha.

Se meu companheiro, de vida, de 64 anos de casamento (Pasmem, mas já são decorridos 64 anos de vida em comum), compusesse para mim versos deste calibre, eu me sentiria presenteada, por exemplo, com o mais precioso colar de diamantes ou de pérolas ou de esmeraldas colombianas. Na mais pura verdade, o meu parceiro de vida me presenteou com o seu amor imenso, seu carinho, sua dedicação. Eu somente fiz uma digressão, porque a fantasia está quase sempre presente nas mentes femininas.

Retornemos à nossa lembrança de exemplos que justifiquem a beleza, ainda que entremeada de tantas feiuras, imensas escuridões e violências; são tantos os exemplos na arte em geral! Apreciar os quadros de Renoir com as suas figuras infantis lindas, apreciar uma escultura de RODIN, tentar perscrutar e decifrar o sorriso magnético da Gioconda de Leonardo da Vinci, deliciar-se com as bailarinas de DEGAS proporcionam muito prazer.

Quanta emoção, quanto trabalho de muitas equipes de artesãos diversos quando a escola de samba desfila pelo Sambódromo carioca! O povo grita, canta, se empolga, se emociona, samba e grita: “Campeã!!! Já ganhou!!!” .

São tantos e tantos os exemplos nas mais diversas áreas da vida humana de beleza, de generosidade, de emoção!

Lancemos mais destes recursos tão compensadores para podermos ter forças para enfrentar os verdadeiros tsunamis da vida atual. Repito, enfatizo e reitero: apesar de tudo, apesar dos pesares e a despeito de tudo, a vida é bonita, é bonita, é bonita. Viva GONZAGUINHA!

* Mestre em Educação pela UFRJ