Quanto vale o desastre de Brumadinho?

Após o desastre de Mariana a Vale não deixou de remunerar acionistas com dividendos e juros sobre o capital investido, muito embora nem tudo sobre essa catástrofe tenha se resolvido, principalmente para as famílias carentes que perderam tudo do pouco que tinham na região e para economia local que foi destruída e ainda não se recuperou do ocorrido.

Essa estratégia da Vale teve como principal objetivo manter ou valorizar o valor da empresa e garantir rentabilidade das ações para que ela tivesse o mínimo de recursos necessários para minimizar os danos causados.

A estratégia deu certo e a empresa não só recuperou o que perdeu de valor de mercado no ano da tragédia como o triplicou, valendo mais.

Contudo, após o desastre de Brumadinho a primeira estratégia foi diferente: cortaram bônus e juros sobre capital investido até segunda decisão e agências de avaliação de risco já ameaçaram diminuir a avaliação da empresa, o que pode levar a uma grande perda no valor de mercado como já noticiado.

Tudo isso é resultado da ganância do ser humano que olha para o dinheiro e o lucro sem pensar no próximo, nas famílias e vidas que estão sendo colocadas em risco, afetadas direta e indiretamente.

Infelizmente essa situação tem valor incalculável, pois ainda que tenham como ressarcir financeiramente as famílias, como irão trazer de volta as vidas dos familiares? Como irão devolver os sonhos? O solo? Isso é impagável!

Inicialmente os danos causados pela Vale já repercutiram negativamente levando a empresa a uma desvalorização na bolsa de mais de 20%, além do efeito em cascata que leva outras empresas e fundos de pensão que tem participações nela desvalorizarem também.

Esse é um momento conturbado e de muitas especulações quanto aos próximos anos da empresa. Não tem como prever os impactos na produção, na logística e nas contas da dela, visto que ela já possui 11 bilhões de reais bloqueados em conta e multas milionárias devido ao desastre ecológico causado.

Será que Vale a pena investir nas ações da companhia nesse momento? É necessário avaliar todo cenário que envolve a companhia e aguardar os próximos passos que ela dará que podem aumentar a desvalorização das ações ou fazer elas voltarem a subir. Esse é um momento de baixa e como a estratégia básica de investimentos é comprar na baixa e vender na alta dos preços, pode-se concluir que é um momento propício a compra de ações de companhia visando o médio e longo prazo que a empresa voltará a se valorizar e crescer.

No curto prazo é certo que as ações não voltarão a valorizar pressionadas por tudo que vem pela frente, mas o mercado em que a Vale atua tem tudo para continuar a crescer o que tende a fazer com que a empresa possa se reerguer.

Esperamos que com toda essa situação a empresa se responsabilize de forma direta por todo dano causado e se sensibilize de forma verdadeira com as famílias afetadas não só indenizando financeiramente, mas realocando os profissionais em outras frentes de trabalho para que eles possam voltar a produzir e reconstruir seus sonhos.

Quanto Vale o desastre econômico e ecológico de Brumadinho? Tem valor intangível, porque vale sonhos, famílias, esperança. O valor dessa tragédia é muito mais que monetário, porque isso a companhia recupera e indeniza, mas tem valor imaterial, do sorriso arrancado do rosto do trabalhador que podia levar o sustento para casa e hoje não tem casa e nem sustento para levar.

Esse é um momento que o investidor não deve ser levado pelo lado emocional se desesperando em vender as ações, porque certamente no longo prazo elas voltarão a valorizar trazendo rentabilidade aos investidores e para quem tem capital é um ótimo momento para fazer aportes maiores objetivando o longo prazo.

* Especialista em Finanças Pessoais e Empresariais