Jornal do Brasil

País - Artigo

Fernando Barbosa Lima: a TV inteligente

Jornal do Brasil DERMEVAL NETTO*

Fernando Barbosa Lima nos deixou há 10 anos. Com ele, houve uma televisão inteligente no Brasil. A televisão aberta, em seu mais de meio século de existência, buscou firmar sua identidade entre o jornalismo e o entretenimento. Dos anos 60 aos 80, ela refletiu o país conflagrado pelo regime militar. Foi palco de uma adesão irrestrita à ditadura e também foi lugar de experiências importantes no seu enfrentamento e na busca da liberdade de expressão.
Uma delas foi, sem dúvida, o “Jornal de Vanguarda”, na TV Excelsior, anos 60, em que Fernando revolucionou a linguagem e o conceito do jornalismo na TV, com a introdução de editores e comentaristas na frente das câmeras, com total liberdade de opinião, além de reportagens e entrevistas articuladas em diversos quadros. O “Jornal de Vanguarda” obteve, inclusive, a primeira premiação internacional da TV brasileira, o prêmio Ondas, em Madri.
Na trajetória da TV, a dicotomia entre o jornalismo e o entretenimento vem se dissolvendo, com prejuízo claro para o jornalismo. A informação produzida pelos telejornais passou a estar associada cada vez mais ao espetáculo, onde as notícias são embaladas e dispostas a varejo ou desdobradas tal qual minisséries, em capítulos que durem e mantenham a audiência até que surja um novo assunto para aplicação do mesmo tratamento.
No momento dramático da crise que vivemos no país, neste 2018, a TV produz cada vez menos jornalismo isento e cada vez mais o atendimento ao marketing político de adesão a um governo que instalou o colapso democrático e que chegou ao menor nível de apoio popular em toda a história da República. Televisão que constrói heróis e vilões, que mostra e esconde, conforme os interesses políticos e econômicos que representa, com narrativas a serviço do desenvolvimento de campanhas, julgamentos e condenações. Sem falar na vocação irresistível do telejornalismo das grandes redes para o voyeurismo big brother da invasão da privacidade, seja de políticos, artistas, atletas e até mesmo cidadãos comuns.
Mas já houve uma televisão inteligente e crítica no país. Na construção da história da TV no Brasil, Fernando Barbosa Lima marcou um lugar especial, dedicando talento, competência e paixão a um jornalismo ousado, investigativo, sem conformismo, crítico.
Após seu início, com o programa “Preto no Branco”, na TV Rio, e depois na TV Excelsior com o “Jornal de Vanguarda”, consolidou um estilo que iria aprimorar nos anos seguintes. Nos anos 70, criou o “Abertura”, na TV Tupi, que recolocou a ousadia na tela, com a cara de Glauber Rocha e de outros artistas, jornalistas e pensadores brasileiros, que tinham em comum o compromisso de acreditar e apostar em mudanças possíveis de acontecer no Brasil. Em seguida, criou o “Canal Livre”, na TV Bandeirantes, que trocou o medo pela esperança, com entrevistas que marcaram o processo da redemocratização nacional. Nos anos 80 inaugurou a produção independente na TV (“Xingu”, “Conexão Internacional”). Dirigiu a TVE, a TV Manchete e a TV Bandeirantes, deixando marcas de inovação, criando programas como “Sem Censura”, “Programa de Domingo”, “Persona”, “Advogado do Diabo”, “Cara a Cara” e outros. Nos últimos anos de sua vida, Fernando Barbosa Lima dedicou-se a produzir em DVDs a série documental “Grandes Brasileiros”, com o compromisso do resgate da nossa memória, com títulos que seguem hoje em exibição em canais por assinatura.
Fernando Barbosa Lima nos deixou há 10 anos, em setembro de 2008, mas seu exemplo como profissional e seu legado ético ficaram. Quando o “Jornal de Vanguarda” foi atingido em 1968 com a censura do AI-5, decidiu, com dignidade, tirar o jornal do ar, despedindo-se com a última frase da edição: “Um cavalo de raça mata-se com um tiro na cabeça”.
Tive a oportunidade e a honra de conhecer Fernando de perto, trabalhar com ele, aprender com ele, tornar-me seu amigo, admirar talento e caráter.
Seu livro de memórias sobre sua história na TV, “Nossas câmeras são seus olhos” (Ediouro/2007), é documento indispensável e leitura obrigatória para todos os que querem saber como foi possível fazer uma TV diferenciada e inteligente no Brasil.

* Jornalista, documentarista e professor



Recomendadas para você