Dom Phillips iria atrapalhar os negócios de criminosos, diz ex-chefe da PF no Amazonas

...

Reprodução
Credit...Reprodução

Emilio Sant’Anna - O ex-superintendente da Polícia Federal no Amazonas Alexandre Saraiva afirmou que o desaparecimento do repórter inglês Dom Phillips e do indigenista Bruno Pereira, no Vale do Javari, está relacionado ao trabalho da imprensa e às consequências que isso traria para os interesses do crime organizado na região.

“Nenhum jornalista está seguro na Amazônia, falo isso para todos que vão para lá. Ali a vida não vale nada”, diz Saraiva. Segundo ele, esse problema se repete em outras regiões da floresta, como a região sul do Pará, sudeste e nos Estados de Roraima e Rondonia. “Estamos falando de um trabalho de imprensa, mostrar para o mundo o que está acontecendo na Amazônia. O pano de fundo, o objetivo, era jornalístico. Está muito claro isso para mim. Ele estava lá com um repórter estrangeiro, iria sair na imprensa e isso iria atrapalhar os negócios (dos criminosos)”, afirma Saraiva, substituído do cargo após enviar ao Supremo Tribunal Federal notícia-crime contra o ex-ministro do Meio Ambiente Ricardo Salles.

O Vale do Javari fica na região da tríplice fronteira entre o Brasil, Colômbia e Peru e, como mostrou o Estadão, é rota do crime organizado transnacional: tráfico de madeira, de drogas, ouro e violência. “Quando o Estado sai, ou nunca entrou, fica um vácuo”, afirma Saraiva.

 

Macaque in the trees
O jornalista Dom Phillips é um dos desaparecidos (Foto: Reprodução/Twitter)

 

Segundo o delegado, a tendência normal das diferentes atividades criminosas em uma determinada região é convergir. É o que já acontece na Amazônia. “Não existe ‘meio gângster’. O tráfico de drogas precisa das rotas dos madeireiros. Vai chegar para eles e negociar, se não der certo mata e assume”, diz o ex-superintendente da PF no Amazonas. Saraiva foi punido pela corporação por dar entrevistas e se lançou pré-candidato a deputado federal neste ano pelo PSB.

Saraiva conhece Bruno e Dom. Junto com o indigenista, o então superintendente da Polícia Federal no Amazonas participou de uma operação de combate ao garimpo ilegal que terminou com cerca de 60 balsas afundadas. Já o jornalista inglês entrevistou o ex-superintendente da Polícia Federal no Amazonas há cerca de dois meses. “O Bruno é um cara super experiente, estava lá para levar o Dom para fazer um trabalho jornalístico. Isso está claro”, diz.

Na segunda-feira, 13, a Polícia Federal negou ter encontrado os corpos de Dom e Bruno após o jornal The Guardian, para com o qual o repórter colaborava, publicar relato de familiares do correspondente estrangeiro, segundo os quais diplomatas brasileiros disseram a eles que os corpos de ambos haviam sido localizados na selva. A associação de indígenas Unijava, que auxilia nas buscas, também negou a informação.

O ex-superintendente da Polícia Federal no Amazonas critica a atuação das Forças Armadas na região via Garantia da Lei e da Ordem (GLO) durante a gestão do presidente Jair Bolsonaro e vê a necessidade de atuação delas no combate ao crime organizado transnacional. “Eles ficam esperando a invasão de um país estrangeiro e enquanto isso o crime acontece nas barbas deles”, afirma.

O último rastreamento que se tem de Bruno e Dom veio de dados de localização fornecidos via Dispositivo de Comunicação Satelital SPOT, conforme relato da União dos Povos Indígenas do Vale do Javari (Univaja), que mantinha contato com a dupla. O jornalista e o indigenista partiram no domingo, 5, da comunidade São Rafael para Atalaia do Norte, mas a chegada ao município, prevista para acontecer até as 9h do mesmo dia, não ocorreu.

A Justiça do Amazonas decretou na noite de quinta-feira, 9, a prisão temporária, por 30 dias, de Amarildo da Costa de Oliveira. A decisão foi definida pela juíza Jacinta Silva dos Santos, da Vara Única de Atalaia do Norte, em audiência de custódia.

Na tarde da terça-feira, a PF encontrou vestígios de sangue na lancha de Amarildo. O material coletado foi enviado para análise em Manaus, onde existe a estrutura necessária para a perícia. Ainda não está claro se o sangue seria humano ou de animais.



Delegado Alexandre Saraiva
O jornalista Dom Phillips é um dos desaparecidos


Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade.
Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.
Saiba mais