Queiroga diz que vacinação é 'sucesso' e que queixa por falta de doses é 'narrativa'

Ministro da Saúde afirmou que 'estamos bem perto' de abolir o uso de máscara para se proteger da pandemia do novo coronavírus, assim como fizeram outros países, como Portugal

Foto: Reuters / Adriano Machado
Credit...Foto: Reuters / Adriano Machado

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, afirmou nessa segunda-feira (13) que a campanha de vacinação contra a covid-19 no Brasil já é "um sucesso". O ministro acrescentou que a reclamação de que falta vacina para aplicação da segunda dose é uma "narrativa".

Queiroga comentou que alguns estados não respeitaram as orientações do Programa Nacional de Imunizações (PNI) e anteciparam os intervalos entre doses e a vacinação dos adolescentes: "Eu também falei que quem adotasse esquemas diferentes do PNI não teria garantias de doses [...]. Por conta disso [do desrespeito ao PNI] surgem essas narrativas que falta dose. Na realidade, muitos já avançaram além [dos públicos previstos], e se avançaram é porque tinha doses", afirmou.

Ele acrescentou que há "reclamadores crônicos", fazendo uma crítica ao estado de São Paulo: "Você pode ver: quem reclama? Quem são os reclamadores crônicos? E aí você verifica as publicidades que fizeram. Não foi o Ministério da Saúde que fez a publicidade [do avanço na vacinação]", questionou.

Na semana passada, a cidade de São Paulo registrou 98% dos postos de imunização contra o novo coronavírus sem doses da vacina AstraZeneca.

João Gabbardo, coordenador executivo do Centro de Contingência do Coronavírus de São Paulo, culpou o Ministério da Saúde pela falta de vacinas, dizendo que a pasta não cumpriu com o prazo de enviar os lotes do imunizante.

Máscara no Brasil

Questionado sobre os pedidos recentes do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) para que o Brasil deixe de utilizar máscaras contra a covid-19, Queiroga disse que "estamos bem perto de chegar a isso".

"Fui agora à Itália e todos sem máscaras. Portugal, Rússia […]. Estamos bem perto de chegar a isso no Brasil. É necessário que o contexto epidemiológico seja favorável a essa situação e nossa campanha de vacinação avance mais", comentou o ministro.(com agência Sputnik Brasil)