Em semana de depoimentos de ex-membros da Saúde, Queiroga diz que CPI não lhe traz 'preocupações'

Ministro diz que CPI não está em seu "menu de preocupações" e declara estar apreensivo com média móvel de mortes. Essa semana, a CPI da Covid vai ouvir três ex-funcionários ligados ao Ministério da Saúde

Folhapress / Raul Spinassé
Credit...Folhapress / Raul Spinassé

Ao falar com jornalistas na saída do Ministério da Saúde, nessa segunda (5), o ministro Marcelo Queiroga disse não se importar com a CPI, e que sua única preocupação são as mortes decorrentes da pandemia.

"Eu só tenho uma preocupação, pandemia. Apesar de ter uma redução de mortos, nossa média móvel ainda é elevada. A CPI não está no meu menu de preocupações. Não estou interessado com o que acontece na CPI", disse o ministro citado pela mídia.

Próximos depoimentos

Nesta semana, a CPI da Covid ouvirá três pessoas ligadas ao Ministério da Saúde, são elas: as servidoras Regina Célia Silva Oliveira e Francieli Fantinato, e o ex-diretor do Departamento de Logística em Saúde da Secretaria Executiva da pasta, Roberto Ferreira Dias.

Regina Célia Oliveira, que dará depoimento nesta terça (6), era a fiscal do contrato entre o governo e a Precisa/Bharat Biotech. Ela foi quem autorizou a compra da vacina indiana Covaxin após os problemas apontados pelo servidor Luis Ricardo Miranda, que denunciou as suspeitas de corrupção no contrato.

Nessa quarta-feira (7), Roberto Ferreira Dias será ouvido após denúncia de que teria pedido US$ 1 (R$ 5,09) por cada vacina para fechar um contrato de 400 milhões de doses, segundo denuncia do policial militar Luiz Paulo Dominguetti.

Na quinta-feira (8), será a vez de Francieli Fantinato, ex-coordenadora do PNI (Programa Nacional De Imunizações). (com agência Sputnik Brasil)