Brasil passa da marca de 17 milhões de casos de Covid-19

País voltou a registrar mais de 2,3 mil mortes em 24 horas

Folhapress / Lalo de Almeida
Credit...Folhapress / Lalo de Almeida

O Brasil registrou 52.911 novos casos de Covid-19, atingindo 17.037.129 contágios confirmados desde o início da pandemia, informou o Conselho Nacional de Secretários da Saúde (Conass) nessa terça-feira (8).

O país ainda contabilizou 2.378 mortes, elevando para 476.792 a quantidade de vítimas. Os números desta terça não incluíram o estado de Rondônia que, segundo o Conass, teve problemas técnicos na transmissão das informações.

A média móvel de contaminações nos últimos sete dias caiu para 58.950 (estava em 62.666 na segunda-feira); já a de falecimentos voltou a subir e está em 1.656. A taxa de letalidade se mantém em 2,8% e a de mortalidade está em 226,9 a cada 100 mil habitantes.

Ainda conforme os dados do Conass, o estado de São Paulo continua a liderar nos números absolutos de casos e mortes, com 3.378.256 e 115.309, respectivamente. O maior índice de letalidade, porém, está com o Rio de Janeiro, com 5,8% - os paulistas estão na segunda posição com 3,4%, ao lado dos amazonenses.

No ranking dos cinco estados com mais contágios em valores absolutos, após SP, aparecem Minas Gerais (1.633.388), Paraná (1.127.207), Rio Grande do Sul (1.121.887) e Bahia (1.041.351).

Nos falecimentos em dados totais, depois dos paulistas, aparecem Rio de Janeiro (51.865), Minas Gerais (41.720), Rio Grande do Sul (29.082) e Paraná (27.349).

Os números brasileiros mantêm a nação na segunda colocação mundial na quantidade de mortes absolutas, atrás apenas dos Estados Unidos, que têm 598.324 óbitos, e na terceira nos casos após EUA, que têm mais de 33,3 milhões, e da Índia, com 28,9 milhões.

Considerando ainda os dados mundiais da Universidade Johns Hopkins, o Brasil aparece na 11ª posição na taxa de mortalidade proporcional ao tamanho da população, atrás de Peru, Hungria, Bósnia e Herzegovina, República Tcheca, San Marino, Macedônia do Norte, Montenegro, Bulgária, Moldávia e Eslováquia.(com agência Ansa)