Publicidade

País

Mourão diz que morte em supermercado não foi racismo, porque 'no Brasil não existe racismo'

'Isso é uma coisa que querem importar aqui para o Brasil', afirmou o vice-presidente, na chegada ao Palácio do Planalto, nesta sexta-feira (20)

Foto: Reuters/Adriano Machado
Credit...Foto: Reuters/Adriano Machado

Ao comentar a morte de um homem negro, espancado por dois seguranças brancos dentro de um supermercado na noite dessa quinta-feira (19), o vice-presidente Hamilton Mourão disse que o caso não tem a ver com racismo, porque "no Brasil não existe racismo".

"Não. Para mim, no Brasil não existe racismo. Isso é uma coisa que querem importar aqui para o Brasil, não existe aqui", afirmou Mourão.

Mourão disse ainda que racismo é algo que "querem importar" dos Estados Unidos para o Brasil.

"Eu digo para você com toda tranquilidade: não tem racismo. Eu digo isso para vocês porque eu morei nos Estados Unidos. Racismo tem lá. Eu morei dois anos nos Estados Unidos. Na minha escola, que eu morei lá, o pessoal de cor, ele andava separado. Eu nunca tinha visto isso aqui no Brasil", disse o vice-presidente.
Mourão ainda classificou o episódio como "lamentável" e afirmou que a equipe de segurança do local estava "totalmente despreparada":

"Lamentável. A princípio, a segurança [estava] totalmente despreparada para a atividade que tem que fazer", disse Mourão.

Os suspeitos da morte de João Alberto Silveira Freitas, de 40 anos, foram presos em flagrante. Um deles tem 24 anos, e o outro tem 30 anos. Um suspeito é policial militar e foi levado para um presídio militar. O outro é segurança da loja e está em um prédio da Polícia Civil. A investigação trata o crime como homicídio qualificado.

De acordo com a Polícia Militar do Rio Grande do Sul, a vítima teria ameaçado bater em uma funcionária do estabelecimento, que chamou a segurança.

O supermercado Carrefour emitiu uma nota lamentando profundamente o caso e informando ter iniciado uma rigorosa apuração interna. (com agência Sputnik Brasil)