Bombeiro é preso no Rio por suspeita de ligação com morte de Marielle Franco

Sargento do Corpo de Bombeiros, Maxwell Corrêa, foi preso na manhã desta quarta-feira (10) em condomínio de luxo na Zona Oeste do Rio de Janeiro por possível ligação com a morte da vereadora.

Macaque in the trees
Polícia Civil prendeu suposto cúmplice do assassinato da vereadora Marielle Franco (Foto: Folhapress / Jose Lucena / Futura Press)

A detenção do bombeiro, mais conhecido como Suel, foi realizada pela Polícia Civil em operação conjunta com o Ministério Público do RJ.

De acordo com investigações, Suel tem ligação com o PM reformado Ronnie Lessa, que foi apontado como o autor dos disparos que mataram a vereadora Marielle Franco e o motorista Anderson Gomes, reportou o portal G1.

Maxwell Simões Corrêa, de 44 anos, foi detido em um condomínio de luxo no bairro Recreio dos Bandeirantes, ao passo que é suspeito de ter ajudado Ronnie a se livrar das armas possivelmente usadas no crime ao jogá-las no mar após Ronnie ter sido preso em março de 2019.

Macaque in the trees
O bombeiro Maxwell Simões (Foto: Reproução)

Segundo os investigadores, amigos de Ronnie conduziram uma complexa operação para remover armas de um imóvel em Jacarepaguá, no Rio de Janeiro, que poderiam comprometer ainda mais o PM reformado.

Apesar da suspeita de envolvimento, o bombeiro disse em depoimento que no dia do assassinato de Marielle Franco ele tinha levado sua mulher a um médico em Botafogo, e que só chegou à Barra da Tijuca, entre às 20h30 e 21h00.

Morte de Marielle Franco

Nascida no Complexo de favelas da Maré, na capital fluminense, Marielle Francisco da Silva, mais conhecida como Marielle Franco, se elegeu à vereadora do Rio de Janeiro durante as eleições municipais de 2016, e obteve na ocasião a quinta maior votação no sufrágio.

Defensora dos direitos humanos e crítica de certas práticas policiais, a vereadora do PSOL foi assassinada a tiros em 14 de março de 2018 junto com seu motorista, Anderson Pedro Mathias Gomes, no bairro carioca do Estácio.

De acordo com a polícia, o crime foi cometido por Ronnie Lessa e o ex-militar Élcio Vieira de Queiroz.(Sputnik Brasil)



Polícia Civil prendeu suposto cúmplice do assassinato da vereadora Marielle Franco
O bombeiro Maxwell Simões