Invasão a terras indígenas cresce sob Bolsonaro, diz conselho ligado à CNBB

Dados preliminares divulgados nesta terça-feira pelo Conselho Indigenista Missionário (Cimi), ligado à Confederação Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), apontam um aumento das invasões de terras indígenas nos nove primeiros meses do governo Jair Bolsonaro.

Segundo os dados da Cimi, entre janeiro a setembro foram registrados 160 “invasões possessórias, exploração ilegal de recursos naturais e danos diversos ao patrimônio" a 153 terras indígenas em 19 estados brasileiros. Em todo o ano de 2018 foram contabilizados 111 casos em 76 terras indígenas de 13 estados da federação.

Macaque in the trees
Rita de Cassia Tembe, da tribo Tembe, com seus filhos em vila perto de Paragominas, no Estado do Pará (Foto: REUTERS/Ricardo Moraes)

O relatório do Cimi, intitulado "Violência Contra os Povos Indígenas do Brasil - dados de 2018", aponta que ano passado -- portanto antes do atual governo -- houve aumento do número de assassinatos de indígenas (135) em relação ao ano anterior (110).

De acordo com o Cimi, o tipo de invasões mudou nos últimos anos. Enquanto antigamente os invasores entravam na terra, roubavam madeira, exploravam minérios e depois, em algum momento, iam embora, agora tem havido a invasão com intenção de lotear e permanecer nos terrenos.

"Chama a atenção o aumento da prática ilegal de loteamento das terras indígenas, especialmente na região Norte", diz o documento.

O relatório aponta ainda que das 1.290 terras indígenas no Brasil, 821 (63%) ainda tem alguma pendência para finalização do processo de demarcação e dentro dessas, 528 não teve qualquer providência tomada pelo estado.

O presidente Jair Bolsonaro já anunciou que não pretende demarcar ou finalizar a demarcação de quaisquer novas terras indígenas durante seu governo.