Jornal do Brasil

País

Nas redes sociais, Bolsonaro publica vídeo de conversada vazada de líderes mundiais

Presidente brasileiro afirma que sempre buscou 'diálogo com os líderes do G7, bem como da Espanha e Chile'

Jornal do Brasil

Nas redes sociais na tarde deste domingo (25), o presidente Jair Bolsonaro retuitou um vídeo de uma conversa vazada entre a chanceler federal alemã Angela Merkel, o presidente francês Emmanuel Macron e o premier britânico Boris Johnson em que os líderes falavam sobre as queimadas na Amazônia e afirmam que iriam entrar em contato com líder brasileiro para tratar e ajudar sobre o problema ambienta

Em resposta ao 'vazamento' do vídeo e ao ser citado, Bolsonaro tuítou: "Desde o princípio busquei o diálogo junto aos líderes do G7, bem como da Espanha e Chile, que participam como convidados. O Brasil é um país que recupera sua credibilidade e faz comércio com praticamente o mundo todo". 

Chanceler alemã 

É possível escutar a alemã Ângela Merkel  mencionando no vídeo de reunião do G7 que ela vai falar com Bolsonaro para que o presidente brasileiro não fique "com a impressão de que está trabalhando contra ele". 

Já Johnson, premier britânico,  disse achar o contato de Merkel 'importante'. O anfitrião da reunião do G7, Macron levou a questão dos incêndios na Amazônia ao encontro e pediu "mobilização de todas as potências" para ajudar o Brasil e os demais países afetados pelas queimadas. Não sabendo de quem se tratava, o presidente francês, pergunta de quem os líderes estão falando e, após a chanceler alemã afirmar que tratava-se de Bolsonaro, o líder francês começa a esboçar uma resposta, um dedo é visto na frente da câmera e a transmissão foi interrompida.

Macron chegou a afirmar que Bolsonaro mentiu sobre compromissos climáticos e declarou que será contrário ao acordo entre a União Europeia (UE) e o Mercosul — posicionamento endossado por membros pequenos do bloco europeu, mas questionada por Merkel e Johnson.

Já o brasileiro disse que não iria procurar o presidente francês, fez criticas, mas disse que  aceitaria conversar se a inciativa partisse do francês. 

*** com informações de agências



Tags: g7