Jornal do Brasil

País

Protestos em todo país contra cortes na educação

Movimentos e sindicatos se mobilizam para greve

Jornal do Brasil PAULO SALDAÑA

Brasília abriu, nesta terça-feira (13), o 3º ato convocado por estudantes, professores e movimentos sindicais contra os cortes promovidos pelo governo do presidente Jair Bolsonaro em todas as etapas da educação. O projeto para as universidades federais, o Future-se, também está no alvo do protesto.

Macaque in the trees
Atos são contra o contingenciamento de recursos da educação (Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil)

Os manifestantes também foram às ruas da capital federal contra a reforma da Previdência. Segundo a UNE (União Nacional dos Estudantes), as manifestações serão realizadas em ao menos todas as capitais do país nesta terça.

Marcha de estudantes e professores contra cortes na educação, em Brasília      Em Brasília, os organizadores da passeata estimaram a participação de 10 mil pessoas. Dentre os quais, dois mil indígenas, que estão acampados na cidade. Já a PM contou 4.000 participantes.

A passeata começou por volta das 10h30. Todas as pistas do eixo monumental foram ocupadas pelos manifestantes em direção ao Congresso Nacional. Eles se uniram com a Marcha das Mulheres Indígenas, que teve início mais cedo.

Por volta das 11h, manifestantes dos dois movimentos se juntaram no gramado diante do Congresso. Não houve registro de tumulto.

A Força Nacional de Segurança foi autorizada a prestar a segurança nos arredores dos prédios do Ministério da Educação e da Esplanada dos Ministérios, segundo decreto assinado na semana passada pelo ministro Sergio Moro (Justiça).

A UNE tentou barrar na Justiça a medida por entender que ela é ilegal, mas o ministro Sérgio Kukina, do Superior Tribunal de Justiça, negou o pedido.

CORTES NA EDUCAÇÃO

Esta é a terceira onda de atos contra a política de educação de Bolsonaro a tomar várias cidades. "Esse ato vem com conteúdo diferente dos outros. Além dos cortes, estamos contra o projeto Future-se. É uma tentativa de privatizar o ensino superior, o que deve ter maior impacto nos espaços onde só a educação pública garante os direitos", disse Marcelo Acácio, vice-presidente da Ubes (União Brasileira dos Estudantes Secundaristas) no Distrito Federal.

A previsão do projeto do governo de atuação de Organizações Sociais nas universidades têm sido questionado pelas instituições, que apontam esvaziamento das reitorias e risco de privatização. O governo nega que o Future-se tenha esse objetivo.

A ideia dos organizadores é que o ato termine em frente do Teatro Nacional, também na Esplanada. Os manifestantes devem passar em frente à sede do MEC (Ministério da Educação), onde estão os agentes da Força Nacional. Policiais militares acompanham o ato.

Professores da rede do Distrito Federal aderiram à paralisação nacional e participam do evento. "Para nós, o ponto central desse tipo de mobilização, que temos feito de forma ampliada, é que não existe hoje uma pauta de um segmento. São pautas de toda sociedade brasileira", diz Rosilene Correa, diretora do Sinpro (Sindicato doa Professores) do Distrito Federal e da CNTE (Confederação Nacional dos Trabalhadores da Educação).

Bandeiras da CUT, PT, PSOL e PCO integram o movimento. (FolhaPress SNG)