'Enxurrada' de apps de transporte traz inquietação, diz ministro

O ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas, afirmou nesta quinta-feira (27) nos EUA que o que chamou de enxurrada de aplicativos de transporte compartilhado -como Uber, 99 e Cabify- tem causado "algumas inquietações".

Durante palestra a portas fechadas em Washington, o ministro disse que é preciso aumentar a eficiência para atrair e manter usuários no sistema público.

Macaque in the trees
Tarcísio Gomes Freitas (Foto: Marcelo Camargo | Agência Brasil)

Freitas não é contrário ao uso dos aplicativos, mas diz que é preciso melhorar o serviço público no momento em que cada vez mais pessoas escolhem fazer viagens coletivas em carros particulares, o que é oferecido em diversas cidades do país e do mundo.

"A gente tem visto uma enxurrada de transformações, como a utilização cada vez maior dos aplicativos do transporte compartilhado, e isso acaba nos gerando algumas inquietações", disse Gomes de Freitas à plateia formada por empresários e autoridades chilenas, argentinas e americanas.

O conforto, o preço da tarifa e a segurança nos ônibus, trens e metrôs do Brasil foram exemplos citados pelo ministro como determinantes para a melhoria do sistema público.

"Concordo que a capacidade de atração e retenção dos usuários de transporte coletivo é um grande desafio que está relacionado a diversos fatores, como conforto, custo da tarifa, segurança e distância do transporte."

Procuradas para comentar as declarações, Uber, Cabify e 99 não haviam se pronunciado até a conclusão deste texto.

O ministro ficará dois dias na capital americana. Estão previstas reuniões com empresários e investidores e executivos do BID (Banco Interamericano de Desenvolvimento).

Ele ainda deve assinar um memorando de cooperação com a secretária de Transportes dos EUA, Elaine Chao.

Diante das autoridades e de empresários, o esforço de Freitas foi fazer um discurso otimista sobre o cenário econômico brasileiro, destacando as privatizações de rodovias, ferrovias e portos como forma de aumentar a produtividade.

Em março, a concessão de 12 aeroportos arrecadou R$ 2,3 bilhões para o governo federal. A sexta rodada de venda já havia sido anunciada pelo ministro com 22 terminais.