Jornal do Brasil

País

Bolsonaro recebe Moro e diretor-geral da PF em meio a desgaste com vazamento

FolhaPress

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O presidente Jair Bolsonaro recebeu o ministro Sergio Moro (Justiça) pelo segundo dia seguido em meio às repercussões do vazamento de uma troca de mensagens do ex-juiz da Lava Jato com o procurador Deltan Dallagnol.

O encontro, que não estava previsto inicialmente nas agendas, teve a participação também do diretor-geral da Polícia Federal, Maurício Valeixo. {'nm_midia_inter_thumb1':'https://www.jb.com.br/_midias/jpg/https://www.jb.com.br/_midias/jpg/2019/06/12/97x70/1_2019_06_11t135150z_386191643_rc1b382a2270_rtrmadp_3_brazil_corruption-399107.jpg', 'id_midia_tipo':'2', 'id_tetag_galer':'', 'id_midia':'5d0126408bc5e', 'cd_midia':399114, 'ds_midia_link': 'https://www.jb.com.br/_midias/jpg/2019/06/12/627x418/1_2019_06_11t135150z_386191643_rc1b382a2270_rtrmadp_3_brazil_corruption-399107.jpg', 'ds_midia': 'Brazil's President Jair Bolsonaro and Brazil's Justice Minister Sergio Moro arrive at a ceremony of the 154th anniversary of the Riachuelo Naval Battle at the Marine Corps Headquarters in Brasilia Brazil June 11, 2019. REUTERS/Adriano Machado
      Caption', 'ds_midia_credi': 'REUTERS/Adriano Machado', 'ds_midia_titlo': 'Brazil's President Jair Bolsonaro and Brazil's Justice Minister Sergio Moro arrive at a ceremony of the 154th anniversary of the Riachuelo Naval Battle at the Marine Corps Headquarters in Brasilia Brazil June 11, 2019. REUTERS/Adriano Machado
      Caption', 'cd_tetag': '1', 'cd_midia_w': '627', 'cd_midia_h': '418', 'align': 'Left'}

Os três se reuniram às 12h no Palácio do Planalto a pedido de Bolsonaro, segundo a assessoria de imprensa da Presidência. Não foi informado o assunto tratado por eles. 

O vazamento de mensagens de Moro e de outras pessoas que atuaram na Lava Jato é alvo de ao menos quatro investigações conduzidas pela PF. 

A conduta de Moro como ex-juiz da Lava Jato tornou-se alvo de discussões após o site The Intercept Brasil ter publicado no domingo (9) conversas entre o ministro com Dallagnol nas quais eles trocavam colaborações sobre a Lava Jato.

Moro, que hoje é ministro da Justiça do governo Bolsonaro, foi o juiz responsável pela operação em Curitiba. Ele deixou a função ao aceitar o convite do presidente, em novembro, após a eleição. O site informou que obteve o material de uma fonte anônima, que pediu sigilo. O pacote inclui mensagens privadas e de grupos da força-tarefa no aplicativo Telegram, de 2015 a 2018.

Desde que mensagens que o conteúdo foi publicado, Bolsonaro ainda não comentou o caso. Ele encerrou abruptamente uma entrevista, em São Paulo, quando foi questionado sobre o tema. 

Na terça (11), o presidente recebeu seu ministro no Palácio da Alvorada para um breve encontro, que durou cerca de 20 minutos. Apenas Moro se manifestou sobre o encontro e disse ter sido uma conversa "tranquila".

Apesar do silêncio de Bolsonaro, seus filhos e familiares vêm defendendo o ministro e falam em "ação orquestrada" contra ele e contra a Lava Jato.

Para minimizar as críticas, Moro se apresentou voluntariamente para prestar esclarecimentos ao Senado na próxima semana para evitar um constrangimento maior, como uma convocação.