Bolsonaro está 'consternado' com mortes em Manaus, diz porta-voz

Dois dias depois de um confronto entre facções em presídios de Manaus (AM) deixarem ao menos 55 mortos, o presidente Jair Bolsonaro disse estar "consternado" com o caso.

"Obviamente, o presidente está consternado pelo processo escabroso que ocorreu naquele sistema penitenciário", afirmou o porta-voz da Presidência, general Otávio Rêgo Barros, ao ser questionado sobre o tema.

{'nm_midia_inter_thumb1':'https://midias.jb.com.br/_midias/jpg/https://midias.jb.com.br/_midias/jpg/2019/05/28/97x70/1_2019_05_28t163113z_1_lynxnpef4r1bv_rtroptp_4_brazil_politics_pensions-383180.jpg', 'id_midia_tipo':'2', 'id_tetag_galer':'', 'id_midia':'5ceda295d93b8', 'cd_midia':383187, 'ds_midia_link': 'https://midias.jb.com.br/_midias/jpg/2019/05/28/627x418/1_2019_05_28t163113z_1_lynxnpef4r1bv_rtroptp_4_brazil_politics_pensions-383180.jpg', 'ds_midia': 'Presidente Jair Bolsonaro
', 'ds_midia_credi': 'REUTERS/Adriano Machado', 'ds_midia_titlo': 'Presidente Jair Bolsonaro
', 'cd_tetag': '1', 'cd_midia_w': '627', 'cd_midia_h': '418', 'align': 'Left'}

Segundo ele, o presidente orientou o ministro Sergio Moro (Justiça e Segurança Pública) "a colocar toda a sua força para apoiar aquele estado e debelar o mais pronto possível quaisquer atividades que venham a colocar contra a sociedade e em especial aqueles presos que se encontram presos naquele complexo penitenciário", acrescentou.

O porta-voz disse que o governo não vê indícios de que a crise enfrentada pelo sistema penitenciário do Amazonas se espalhar por outros estados do país.

"Não existem indicações nesse sentido de que essa crise possa extrapolar o âmbito do complexo penitenciário. Naturalmente, o Ministério da Justiça e Segurança Pública e os órgãos de inteligência, seja do GSI, por meio da Abin, sejam os órgãos de inteligência das forças de segurança locais, estão a acompanhar e a definir procedimentos diante das análises que venham a chegar e que sejam, após essa análise, indicadores de novos posicionamentos", informou.

Rêgo Barros disse que presos das facções criminosas estão sendo transferidos para o sistema penitenciário federal.

"O sistema penitenciário é uma das áreas críticas da segurança pública no Brasil e que há muitos anos não vem tendo a quantidade de recursos adequados de investimentos", afirmou.