Número de brasileiros impedidos de entrar na União Européia sobe mais de 60% e totaliza 4.984 em 2018

O número de brasileiros impedidos de entrar nos países da União Europeia (UE) aumentou 61,1% em 2018 com relação ao ano anterior, de acordo com a Frontex, a agência europeia de controle das fronteiras do bloco. A Frontex registrou que 4.984 brasileiros foram barrados em 2018 - 1.898 a mais do que em 2017. Com isso, o Brasil é o sétimo país com mais cidadãos impedidos de entrar no bloco europeu.

{'nm_midia_inter_thumb1':'https://midias.jb.com.br/_midias/jpg/2019/03/07/97x70/1_deportacao_de_brasileiros_da_europa-305977.jpg', 'id_midia_tipo':'2', 'id_tetag_galer':'', 'id_midia':'5c8184bf00db2', 'cd_midia':305984, 'ds_midia_link': 'https://midias.jb.com.br/_midias/jpg/2019/03/07/627x418/1_deportacao_de_brasileiros_da_europa-305977.jpg', 'ds_midia': 'Agência Euopéia de Controle de Fronteiras (Frontex) registra que Brasil é o sétimo país com mais cidadãos impedidos de entrar no bloco europeu
', 'ds_midia_credi': 'Reprodução', 'ds_midia_titlo': 'Agência Euopéia de Controle de Fronteiras (Frontex) registra que Brasil é o sétimo país com mais cidadãos impedidos de entrar no bloco europeu
', 'cd_tetag': '1', 'cd_midia_w': '627', 'cd_midia_h': '418', 'align': 'Left'}

A Ucrânia lidera a lista com 57.593 barrados, seguida pela Rússia (25.953) e a Albânia (24.546). Belarus (7.953), Sérvia (7.662) e República Moldova (6.368) também tiveram mais cidadãos retidos pelos controles de imigração do que o Brasil. Em 2018, um total de 190.930 viajantes não conseguiram entrar na União Europeia. A Frontex informa que os brasileiros foram majoritariamente barrados pela falta de visto válido ou permissão de residência e a falta de documentos que justifiquem a viagem ou as condições de permanência.

Os países-membros também reportaram uma redução de 23% no número de apreensão de imigrantes ilegais ainda em comparação com 2017. Ao analisar os países e as nacionalidades dos imigrantes irregulares, a Frontex concluiu que número de imigrantes vindos do Oriente Médio caiu. Porém, Grécia e Espanha, sem surpresa, resistem a essa tendência. O mesmo acontece com Portugal, que recebe um fluxo de latino-americanos vindos de avião. Os brasileiros fazem parte do maior grupo irregular detectado, representando um número duas vezes maior do que o registrado em 2017