Twitter gerou desconforto no Planalto

O presidente Jair Bolsonaro ouviu de auxiliares a avaliação de que a postagem em sua conta no Twitter de um vídeo no qual dois homens aparecem em atos obscenos no carnaval foi considerada "inapropriada" e "chocante". A repercussão causou desconforto no núcleo central do governo. A polêmica publicação do presidente gerou críticas entre seus opositores e mesmo entre os apoiadores nas redes sociais. O Palácio do Planalto precisou divulgar nota para explicar a atitude de Bolsonaro.

Uma pesquisa de monitoramento diário das mídias sociais encomendada pela Secretaria de Comunicação (Secom) e apresentada a Bolsonaro indicou que 69% das mensagens sobre o episódio eram negativas. Na avaliação de ministros, as imagens provocaram uma reação "virulenta" especialmente do "público interno", como são classificados os seguidores do presidente nas redes sociais.

Em pouco mais de dois meses de governo, Bolsonaro tem utilizado o Twitter como principal meio de comunicação com a população. Na plataforma, porém, o presidente fez poucas menções a assuntos classificados como prioridade de sua gestão. A reforma da Previdência foi tema de apenas cinco mensagens desde o início do ano, - o equivalente a menos de 1% das postagens na rede social

A maior parcela de comentários são textos com teor ideológico em que o presidente critica o globalismo, a suposta partidarização da educação e ações dos governos petistas e da esquerda. O pacote anticrime foi tratado em duas mensagens, e a reforma tributária, em apenas uma.

Durante o carnaval, Bolsonaro fez 29 postagens. No fim da tarde de terça-feira, ele publicou o vídeo polêmico - dois foliões de um bloco em São Paulo praticam o fetiche chamado "golden shower" ("chuva dourada", que envolve o ato de urinar no parceiro ou na parceira). "Temos que expor a verdade para a população ter conhecimento e sempre tomar suas prioridades", escreveu. "É isto que tem virado muitos blocos de rua no carnaval brasileiro."

Na nota divulgada na quarta, o Planalto afirma que as cenas do vídeo escandalizaram não só o presidente, mas grande parte da sociedade. "É um crime, tipificado na legislação brasileira, que violenta os valores familiares e as tradições culturais do carnaval", destacou. No Palácio, no entanto, o episódio foi considerado um "constrangimento imensurável", conforme um dos militares do governo.