Só existe democracia e liberdade quando Forças Armadas querem, diz Bolsonaro

Em evento dos Fuzileiros Navais, presidente pediu 'sacrifício' dos militares na reforma da Previdência

O presidente Jair Bolsonaro disse na manhã desta quinta-feira, 7, durante cerimônia dos 211 anos do Corpo de Fuzileiros Navais, que governará ao lado das "pessoas de bem", "daqueles que amam a Pátria". O presidente completou sua mensagem com a declaração de que só existe democracia e liberdade quando as Forças Armadas assim o quiserem.

Segundo Bolsonaro, a missão de governar o País "será cumprida ao lado das pessoas de bem do nosso Brasil, daqueles que amam a Pátria, daqueles que respeitam a família, daqueles que querem aproximação com países que tem ideologia semelhantes à nossa, daqueles que amam a democracia e a liberdade. O presidente finalizou o curto discurso dizendo que só existe "democracia e liberdade quando a Força Armada assim o quer".

O presidente seguirá às 14h do Rio para Brasília e não há previsão de que vá atender à imprensa. A fala de Bolsonaro ocorreu na esteira do polêmico tuíte sobre o carnaval divulgado na terça-feira, 5. A postagem do presidente - que trazia um vídeo com imagens obscenas e escatológicas - levantou críticas até de aliados e teve repercussão internacional.

Macaque in the trees
Jair Bolsonaro durante revista à tropa (Foto: Marcos Corrêa/PR)

Reforma da Previdência

"Entraremos, sim, em uma nova Previdência, que atingirá os militares, mas não esqueceremos das especificidades de cada Força", disse Bolsonaro, referindo-se ao Exército, Marinha e Aeronáutica.

A declaração acontece após críticas de agentes do mercado e auxiliares sobre o engajamento do presidente da República na disseminação do projeto de aposentadoria pública, apresentado pela equipe econômica de Paulo Guedes duas semanas antes do carnaval.

Polêmica do vídeo

Bolsonaro saiu do evento sem comentar as polêmicas provocadas pela publicação de um vídeo em sua conta no Twitter com imagens obscenas. Nas imagens, dois homens aparecem em atos obscenos, supostamente em um bloco de rua. "Temos que expor a verdade para a população ter conhecimento e sempre tomar suas prioridades", escreveu. "É isto que tem virado muitos blocos de rua no carnaval brasileiro." Após forte repercussão negativa nas redes, Bolsonaro voltou ao Twitter  ao perguntar qual era o significado de "golden shower". 

Em nota divulgada na quarta, o Planalto afirma que as cenas do vídeo escandalizaram não só o presidente, mas grande parte da sociedade. "É um crime, tipificado na legislação brasileira, que violenta os valores familiares e as tradições culturais do carnaval", destacou. "Não houve intenção de criticar o carnaval de forma genérica, mas, sim, caracterizar uma distorção clara do espírito momesco."

Com Estadão