Votação para Presidência do Senado será em cédulas; são 8 candidatos

Após os senadores da República chegarem a um acordo, a votação para a Mesa Diretora do Senado será feita com o uso de cédulas, o que permitirá aos parlamentares que quiserem declarar abertamente seus votos.

Oito candidatos já estão inscritos para disputar o principal cargo, o de presidente da Casa: Ângelo Coronel (PSD-BA), Davi Alcolumbre (DEM-AP), Espiridião Amin (PP-SC), Fernando Collor (Pros-AL), Major Olímpio (PSL-SP), Renan Calheiros (MDB-AL), Reguffe (sem partido-DF) e Simone Tebet (MDB-MS), que declarou hoje sua candidatura avulsa.

Macaque in the trees
Senado (Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom | Agência Brasil)

Alvaro Dias (Pode-PR) renunciou à candidatura, segundo ele, em respeito ao Brasil. “Não quero ser acusado depois de ter sido responsável pela eleição de Renan Calheiros. Quero ser porta-voz da mudança, e não coadjuvante da continuidade”, disse.

Além de escolher quem presidirá a Casa pelos próximos dois anos, os senadores elegerão também a dois vice-presidentes e quatro secretários. Entre as competências do presidente da Casa está a definição quanto ao que é votado em Plenário, e quando. Além disso, o presidente do Senado também decide a votação conjunta do Congresso (Senado e Câmara dos Deputados).

A sessão de votação foi retomada perto das 12h deste sábado (2), após ter sido suspensa na noite de sexta-feira (1º), em meio à disputa em torno do voto aberto ou fechado. Após o voto aberto ter sido aprovado em votação em Plenário, por 50 votos a 2 – com uma abstenção e 28 senadores deixando de votar – parte dos senadores do MDB e do Solidariedade favoráveis ao voto fechado recorreram ao Supremo Tribunal Federal (STF), pedindo a anulação do resultado da votação.

O pedido foi julgado pelo presidente do STF, ministro Dias Toffoli, que decretou que a escolha seja secreta. Em sua decisão, Toffoli afirmou que tal práticapode ser observada em distintos parlamentos do mundo.