Maia é favorito na Câmara

Após ter reunido o apoio de 13 partidos, o atual presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ) é o favorito hoje na eleição da Câmara e deve ocupar o cargo por mais dois anos. Às vésperas da posse dos deputados, PT, PSB, PSOL e Rede anunciaram a formação de um bloco de oposição com 98 parlamentares. Na expectativa de ampliar o bloco, atraindo o PCdoB e do PDT, que indicaram apoio ao deputado fluminenses, os quatro partidos decidiram não fechar questão em relação ao candidato a apoiar para a presidência da Casa.

“A liberdade de escolha do candidato a presidente torna mais confortável para esses partidos a possibilidade de estar no bloco”, disse o líder do PT, Paulo Pimenta (RS). A confirmação da ida do PSB para o bloco também é apontada como um ponto a favor para a ampliar o bloco de oposição. “Podermos ser um bloco mais amplo e esperamos ate o final da noite de hoje anunciar um bloco ainda mais representativo que mostre a forca da oposição dentro da Casa”, completou.

Macaque in the trees
Rodrigo Maia tem apoio de 13 partidos (Foto: Agência Brasil)

“A gente quer o PCdoB independente do apoio a um nome à Presidência que nunca foi colocado em primeiro plano. A gente teve a grandeza de entender que o bloco é mais importante porque o bloco é uma consolidação política de um campo importante nesse momento da história do país”, disse o deputado Marcelo Freixo (PSOL-RJ), enfatizando que o enfrentamento ao governo Bolsonaro e a independência do Legislativo são os pontos em comum entre as legendas.

Com a estratégia, a oposição tem até agora dois candidatos: o deputado JHC (PSB-AL) e o deputado Marcelo Freixo (PSOL-RJ), que deve receber o apoio do PT. Com a estratégia, mesmo que PCdoB e PDT resolvam integrar o bloco da oposição, estarão liberados para decidir em quem votar. O debate sobre a distribuição de cargos na Mesa Diretora da Câmara, das presidências de comissões e escolha de líderes da oposição vai depender do tamanho que esse bloco terá e, por isso, será feita depois da resposta das duas legendas.

>> Candidatos avulsos colocam em risco acordos de Maia