Ricardo Izar (PP) vai à Justiça por vice-presidência da Câmara; liminar é negada

O vice-presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Luiz Fux, negou um pedido do deputado Ricardo Izar (PP-SP) para assegurar a candidatura avulsa à Primeira Vice-Presidência da Câmara dos Deputados.

Em sua decisão, Fux observou que o parlamentar eleito desejava que o Supremo reconhecesse - em caráter preventivo - a possibilidade da candidatura avulsa para um dos cargos da Mesa da Câmara aos deputados integrantes do mesmo bloco parlamentar, ainda que sejam de partidos diferentes.

Macaque in the trees
ministro Luiz Fux participa de sessão plenária extraordinária no STF (Foto: José Cruz/Agência Brasil)

Ao negar conceder a liminar, Fux concluiu que, na análise preliminar do pedido do deputado, não há "qualquer comprovação de efetiva ameaça" às pretensões do parlamentar. "Ressai bastante claro a inexistência de qualquer ato concreto preparatório, ou ao menos indicativo, perpetrado atualmente pela autoridade impugnada (a Câmara dos Deputados) com o condão de violar eventual direito líquido e certo", ressaltou Fux, em decisão assinada na última terça-feira, 29.

As candidaturas avulsas aparecem nesta quinta-feira, véspera das eleições no Congresso, como uma ameaça para a composição da Mesa Diretora da Câmara nos acordos costurados por Rodrigo Maia (DEM-RJ) para sua reeleição. Maia deve fechar amanhã um bloco com até nove partidos que pleiteiam posições específicas na Mesa da diretora da Casa. Ao PSL, por exemplo, está prometida a Segunda Vice-Presidência.

O bloco define qual partido fica com qual cargo na Mesa, de acordo com a proporcionalidade que leva em conta a soma das bancadas. No entanto, o regimento permite que qualquer partido dentro do bloco possa concorrer aos cargos designados.

Mesmo contra a orientação do seu próprio partido, Izar quer concorrer à primeira vice-presidência da Casa, disputando o posto com o presidente nacional do PRB, Marcos Pereira, escolhido para ocupar o cargo na chapa de Maia.

O PP também deve fazer parte do bloco de Maia, mas ao partido está reservada uma das secretarias, provavelmente a segunda, a ser ocupada por André Fufuca (PP-AM).

Apesar da decisão de Fux, Izar está disposto a levar sua candidatura a frente. Ele afirma que há um grupo de deputados que o apoiam.