Jornal do Brasil

País

Defesa de Lula diz que acordo de delação de Léo Pinheiro é prêmio por perseguição

Jornal do Brasil

A defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, preso desde o ano passado em Curitiba, afirmou que o acordo de colaboração premiada que, segundo fontes, o empreiteiro José Adelmário Pinheiro, o Léo Pinheiro, ex-presidente da OAS, assinou "significa que o empresário irá receber novos benefícios por ter prestado relevante contribuição na perseguição judicial imposta a Lula".

Em nota publicada no site do ex-presidente, a defesa diz que Lula já "demonstrou em depoimentos prestados à Justiça que as versões apresentadas por Léo Pinheiro na tentativa de incriminá-lo são mentirosas e por isso jamais foram acompanhadas de qualquer prova ou elemento de corroboração".

Macaque in the trees
Luiz Inácio Lula da Silva (Foto: Mauro Pimentel/ AFP)

Ainda de acordo com a nota, "afirmações feitas por delatores não têm qualquer valor probatório conforme dispõe a lei e a jurisprudência pacífica dos Tribunais, inclusive do Supremo Tribunal Federal".

Léo Pinheiro está preso na Superintendência da Polícia Federal em Curitiba (PR) e a negociação do acordo de colaboração premiada levou anos. Em agosto de 2016, o então procurador-geral da República, Rodrigo Janot, suspendeu as negociações, após o vazamento de informações sobre as tratativas entre o empresário e investigadores da Lava Jato.

Sigiloso, o documento foi enviado ao Supremo Tribunal Federal (STF) por envolver autoridades com foro privilegiado. O ministro Edson Fachin, relator da Operação Lava Jato na Corte, deve decidir se homologa ou não o acordo de colaboração premiada depois que o tribunal retomar suas atividades, em fevereiro.