Eduardo Bolsonaro critica decisão de Marco Aurélio

O deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL), filho do presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL), teceu críticas à decisão do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Marco Aurélio Mello, que determinou a soltura de todos os condenados em segunda instância. A decisão, em caráter liminar e de urgência, beneficia o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

O filho do presidente eleito havia postado junto ao texto imagem de um jovem de 18 anos, que foi tatuado com a inscrição "eu sou ladrão e vacilão", em 2017, em São Bernardo do Campo. O tatuador e o cúmplice foram presos em flagrante por tortura. Os dois alegaram que o rapaz teria tentado furtar uma bicicleta e, por isso, ficaram revoltados e "resolveram tatuar o mesmo como forma de punição". Eduardo Bolsonaro apagou a postagem com a foto do jovem minutos depois e republicou apenas o texto.

Mais tarde, Eduardo fez outro comentário sobre o assunto. "Lembrando que quem entrou [com] a ação foi o PCdoB", escreveu, lembrando que Marco Aurélio Mello aceitou pedido da sigla.

 'Para fechar o STF, basta mandar um cabo e um soldado'

Macaque in the trees
Eduardo Bolsonaro criticou decisão de Marco Aurélio (Foto: Reprodução/ Twitter)

Em vídeo, publicado antes do primeiro turno das eleições, Eduardo Bolsonaro chegou a fazer ameaças ao STF.  "O pessoal até brinca. Se quiser fechar o STF você não manda nem um Jipe, manda um soldado e um cabo", disse à época o parlamentar.

“Tira o poder da caneta de um ministro do STF, o que que ele é na rua? Se você prender um ministro do STF, você acha que vai ter uma manifestação popular em favor dos ministros do STF? Milhões na rua ‘solta o Gilmar, solta o Gilmar’ (referência ao ministro do STF Gilmar Mendes), com todo o respeito que tenho pelo ministro Gilmar Mendes, que goza de imensa credibilidade junto aos senhores”, ironizou Eduardo Bolsonaro.