Jornal do Brasil

País

Catedral de Campinas faz missa por mortos em ataque

Atirador matou quatro pessoas após celebração

Jornal do Brasil

A Catedral Metropolitana de Campinas realiza uma missa nesta quarta-feira (12), às 12h15, em memória "das almas dos fiéis falecidos" no ataque da última terça (11), quando Euler Fernando Grandolpho matou quatro pessoas na igreja, feriu outras quatro e cometeu suicídio em frente ao altar.

Além disso, o prefeito Jonas Donizette decretou três dias de luto oficial. O analista de sistemas de 49 anos era morador de Valinhos, cidade vizinha a Campinas. Grandolpho foi servidor do Ministério Público do Estado de São Paulo, atuando como auxiliar de Promotoria I. O MP/SP informou que ele pediu exoneração do cargo em 2014. Segundo as imagens das câmeras, o atirador entrou na igreja, sentou em um dos bancos e de repente começou a atirar nas pessoas que estavam atrás dele. O atentado ocorreu por volta de 13h25, e uma testemunha afirmou que ouviu ao menos 15 disparos.

Euler tinha 22 projéteis em dois cartuchos quando foi interceptado pela polícia.

O presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) lamentou o episódio nas redes sociais. "Estamos acompanhando a apuração das autoridades sobre o crime bárbaro cometido hoje [11] na Catedral Metropolitana de Campinas, em São Paulo", escreveu. "Nossos votos de solidariedade às vítimas dessa tragédia e aos familiares", continuou.

A Polícia Civil já esteve na casa do atirador, que morava com o pai, e apreendeu material que pode ajudar nas investigações. As autoridades ainda precisam descobrir a motivação do crime, a origem das armas, os passos do atirador antes do atentado e a relação de Grandolpho com a catedral ou com frequentadores da igreja.