Após duas horas e meia, termina depoimento de Lula em Curitiba

O interrogatório do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva realizado nesta quarta-feira (14), em Curitiba, sobre o processo em que é réu por corrupção passiva e lavagem de dinheiro por supostamente ocultar a posse de um sítio em Atibaia (SP) chegou ao fim após quase três horas. O petista foi interrogado pela juíza Gabriela Hardt, substituta do futuro ministro da Justiça Sérgio Moro na 13ª Vara Federal da capital paranaense. Ao ser questionado, Lula disse que sua prisão foi "um prêmio" na Operação Lava Jato. "Só não sei para quem", ressaltou, informaram os advogados. Segundo o magistrado José Roberto Batochio, que integra a defesa do petista, o político prestou um depoimento satisfatório. Essa foi a primeira vez que Lula deixou a carceragem da Polícia Federal em Curitiba, onde cumpre pena de 12 anos e um mês de prisão desde abril. Durante o interrogatório, apoiadores do ex-presidente permaneceram em frente à sede da Polícia Federal, inclusive fizeram manifestações com faixas e cartazes em frente ao prédio da Justiça.

De acordo com o Ministério Público Federal (MPF), as empreiteiras OAS e Odebrecht reformaram o sítio Santa Bárbara, em Atibaia, em benefício de Lula e sua família, em troca de contratos com a Petrobras. O valor da suposta propina totalizaria R$ 1,02 milhão.

O petista, por sua vez, nega ser dono do imóvel, que está em nome de um amigo da família, o empresário Fernando Bittar, que responde por lavagem de dinheiro. O depoimento foi o primeiro de Lula para Hardt, que assumiu o lugar de Moro interinamente.

Antes dele, depôs também o pecuarista José Carlos Bumlai, réu no mesmo processo.

O ex-presidente é réu em sete processos, sendo que foi condenado em um deles em segunda instância, o do triplex no Guarujá, e absolvido em primeiro grau no caso em que é acusado pelo MPF de obstrução de Justiça

Macaque in the trees
ex-presidente Lula (Foto: divulgação)