Bolsonaro volta a criticar governo cubano por saída do Mais Médicos

Uma hora depois de afirmar que Cuba não aceitou as condições para a continuidade do programa Mais Médicos, o presidente eleito, Jair Bolsonaro (PSL), voltou ao Twitter para criticar o governo cubano. "Além de explorar seus cidadãos ao não pagar integralmente os salários dos profissionais, a ditadura cubana demonstra grande irresponsabilidade ao desconsiderar os impactos negativos na vida e na saúde dos brasileiros e na integridade dos cubanos", escreveu Bolsonaro.

Anteriormente, Bolsonaro declarou pela mesma rede social que só daria continuidade ao programa se os médicos cubanos fossem obrigados a passar por um teste de capacidade, se os salários fossem pagos integralmente aos profissionais, sem parcela para Cuba, e ainda se os contratados pudessem trazer suas famílias ao Brasil. "Infelizmente, Cuba não aceitou", escreveu o presidente eleito.