Israel anexa as Colinas de Golã a seu território

O parlamento israelense aprovou uma lei apresentada pelo premier menahem begin determinando a anexação do polêmico território das colinas de golã – tomado da síria na guerra dos seis dias (1967) – sob a alegação de que a área faz parte da antiga terra de israel.

A decisão provocou a reação do governo da síria, que qualificou a anexação como um ato agressivo e expansionista, além de constituir uma “violação flagrante das resoluções das nações unidas”.

As autoridades da síria pediram a convocação do conselho de segurança da onu, que condenou terminantemente a anexação do território por israel, que, por sua.

Vez, nada fez para que a área fosse devolvida ou ficasse sob controle internacional.

O projeto, aprovado em tempo muito curto, tinha apenas três artigos que em nada justificavam a anexação mas davam autoridade ao ministro do interior de “tomar as medidas de aplicação adequadas” para que a área fosse mantida sob o governo de israel.

Esquecidas nos acordos de camp david – que trataram apenas da cisjordânia, faixa de gaza e península do sinai, admitindo para esta última a devolução gradual e para as anteriores um processo de re lativa autonomia – as colinas de golã eram um território árabe do qual israel jamais admitiu abrir mão. para a síria, a região montanhosa também era considerada um elemento vital à sua segurança. esta disputa eclodiu na guerra dos seis dias e ainda na guerra do yon kipur (1973). hoje, a situação na área permanece tensa. a síria reivindica a posse do território, israel não abre mão, e a onu não reconhece ainda a lei de anexação do território.