Pelo menos 15 prefeitos foram assassinados na última década

Impunidade é o grande vilão, afirma especialista um dos casos de maior repercussão foi o do ex-prefeito de santo andré (sp), celso daniel (pt). os fatos são nebulosos, mas, para a promotoria, ele foi morto porque teria descoberto que um esquema de caixa dois para campanha do pt estaria alimentando, também, as contas de integrantes do governo.

Apenas em 2010, o primeiro acusado de envolvimento na morte do ex-prefeito, marcos bispo dos santos, foi condenado. seis acusados devem ser submetidos a júri popular até 2012.

Para o cientista político da unb, joão paulo peixoto, mesmo adotando técnicas específicas, como carros blindados e seguranças particulares, os assassinatos devem continuar.

– crimes contra políticos são uma manifestação explícita do subdesenvolvimento da política brasileira. em geral os assassinatos são cometidos por motivação política, movidos por disputa eleitoral. não falta segurança, falta punição – argumentou.

Mais violência o prefeito de são francisco do glória (mg), gilberto souza e silva (dem) foi morto em janeiro de 2008. o crime aconteceu em piúma, no espírito santo, quando o prefeito estava na praia com a família.

Na época, a polícia concluiu inquérito apontando indícios de crime político. silva foi o segundo prefeito de são francisco do glória a morrer assassinado. fábio ferreira pedrosa cumpriu mandato de 1993 a 1997 e também morreu de forma violenta.

No vale do jequitinhonha e mucuri, o então prefeito de coronel murta (mg), inácio carlos moura (pp), foi assassinado. o crime ocorreu em 2007. um homem invadiu a casa do ex-prefeito e deu um tiro em moura, na frente da mulher e da filha dele.