Mistério perto do fim

Guido Mantega deve permanecer no comando do Ministério da Fazenda O mistério sobre quem ocupará o primeiro escalão do governo da presidente eleita Dilma Rousseff continua.

No entanto, o Ministério da Fazenda deverá continuar sob a tutela do atual ministro Guido Mantega.

Ontem, ela também falou sobre a “herança bendita” que receberá do atual governo.

O anúncio, no entanto, deverá ser feito apenas quando todos os nomes da equipe econômica estiverem definidos.

O que pode acontecer já na próxima semana.

Dilma teria feito o convite a Mantega, durante reunião ontem, em Brasília.

Desde de sua eleição, a presidente afirma que o anúncio sobre as equipes que comporão seu governo a partir de 2011 será feito em bloco.

O objetivo é evitar especulações.

Aper feiçoamento Em reunião com especialistas sobre as formas de erradicação da pobreza no Brasil, Dilma afirmou que o principal desafio da área social nos próximos anos será ampliar e aperfeiçoar a “herança bendita” que será deixada pelo presidente Lula.

O governo Dilma terá um fórum permanente para a área social, com especialis tas e representantes de pastas do governo.

Segundo interlocutores que estavam na reunião, Dilma se referiu à política social do governo Lula como uma “herança bendita”, que deverá ser ampliada.

A ministra do Desenvolvimento Social, Márcia Lopes, disse que na reunião de hoje a presidente reafirmou o projeto – apresentado durante a campanha – de incluir cerca de 750 mil famílias sem filhos entre os beneficiários do Bolsa Família nos próximos anos e dar escala a programas sociais específicos para população de rua e comunidades indígenas e quilombolas.

A ministra disse que o valor do reajuste do Bolsa Família ainda não está definido e que “vários cenários” serão apresentados à presidente eleita nos próximos dias.

– O reajuste acontecerá.

Temos vários estudos, vários cenários que serão apresentados a ela, e ela tomará a decisão – disse a ministra.

O presidente do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), Márcio Pochmnann, que também participou da reunião, disse que é possível antecipar a meta de erradicar a miséria no Brasil de 2016 para 2014 e que o caminho é “aperfeiçoar e sofisticar” a atual política social..