Leandro Mazzini

O PDT VAI COBRAR também a sua fatura na cota ministerial do governo de Dilma Rousseff (PT). O partido aumentou a bancada federal de 23 para 28 deputados e terá quatro senadores. Com bons números de geração de emprego com carteira nos últimos semestres, levados ao presidente Lula, Carlos Lupi quer se manter no Ministério do Trabalho. Aliados não descartam que a legenda ganhe espaço. Egressa do PDT, seu primeiro ninho político, Dilma ainda tem no partido políticos de confiança. Uma reunião do PDT na sexta, em Brasília, começará a esboçar o futuro do partido dentro do governo nos próximos quatro anos. PDT negocia suas cotas com Dilma, cria do partido Homem das cavernas Jorge Gerdau vai investir pesado. Em preservação de cavernas e sítios arqueológicos numa região de Minas. O MP determinou que o empresário promova recuperação do patrimônio arqueológico depois que suas atividades de mineração destruíram cavernas. Acor do O caso ocorreu em 2008, e o empresário fechou acordo com o MP. Agora, terá de desembolsar alguns milhões de reais na Serra da Moeda, nas cidades de Arcos, Pains, Doresópolis e Iguatama. Trabalho paulista Interlocutor de peso e com trânsito em sindicatos paulistas, o deputado estadual Campos Machado (PTB) poderá assumir a Secretaria de Trabalho de Geraldo Alckmin. Geraldo trabalhista Alckmin avisou a aliados que quer mais proximidade com os sindicatos do estado, relegados no atual governo. Temer caça A ideia de Michel Temer, vice eleito, assumir o Ministério da Defesa, partiu de seu próprio grupo. Com a iminente escolha dos 36 caças para a FAB, o que ficará provavelmente para a presidente Dilma, é poder em dobro para o vice. A 15ª Só 14 mulheres são ou foram governantes de países no mundo. Dilma Rousseff será a 15ª. Os R$ 600 O PPS cobrou para si a paternidade da proposta dos R$ 600 de salário mínimo. É de Arnaldo Jardim (PPS-SP) a emenda que crava o valor no Orçamento. O partido mobiliza a oposição para gritar contra o governo, que pretende no máximo R$ 580. Nipo-cubanos O secretário de Inovação do Ministério do Desenvolvimento, Francelino Grando, levou para Cuba o modelo japonês de TV Digital, adotado pelo Brasil. Voltou confiante de que Raúl Castro adotará o sistema, com suporte oferecido daqui.