Justiça suspende prova e MEC decide recorrer

Ministério quer refazer exame só para quem recebeu os testes contendo erros. Juíza teme prejuízo a estudantes

As provas do Enem aplicadas no fim de semana estão suspen- sas. A decisão, em caráter limi- nar,foi daJustiça Federalno Ceará. Aavaliação aplicadaa 3,3 milhões decandidatos foi marcada por errosque, segun- do a juíza Karla de Almeida mi- randa, da 7ª Vara, podem pre- judicar a nota dos estudantes. Segundoa magistrada,asolu- çãoapresentada peloMinisté- rio da Educação (MEC), de apli- car novas provas apenas para o grupo de estudantes prejudica- dos, não resolveo problema e deixaria “emdesigualdade to- dos os candidatos remanescen- tes”.O ministrodaEducação, Fernando Haddad, diz que o mi- nistério irá tentar reverter a de- cisão da Justiça, e que não tra- balha com a hipótese de anular o exame, nem de refazer as pro- vas aplicadas no sábado para to- dos os inscritos No sábado, 21 mil cadernos de prova amarelos apresentaram erro de montageme não con- tinham todas as 90 questões aplicadas. Não sesabe ainda quantos candidatos foram pre- judicados.Outro erroocorreu na folha de respostas, que es- tavacom ocabeçalho dasduas provas trocados.

Esclar ecimentos

O MEC informou que vai en- viar à Justiça Federal no Ceará esclarecimentos sobre a meto- dologiaa serusada nareapli- cação da provado Enem aos estudantes prejudicados. De acordo com o MEC, a Teo- riadeResposta aoItem(TRI), metodologia estatística usada no Enem, assegura as condições deigualdade entreospartici- pantes, mesmo que eles façam provas diferentes. A TRI é apli- cada no Enem desde o ano pas- sado epermite quediferentes edições da prova tenham o mes- mo grau de dificuldade. As ques- tões são pré-testadas e ganham umpeso quevaria deacordo com o desempenho dos estudan- tes. Itens com alto percentual de acerto ganham peso menor e aqueles que poucos alunos acer- tam ganham mais peso.

Novas datas

Casoseja necessárioreapli- caraavaliação paraosestu- dantes prejudicados, as datas mais prováveissão oúltimo fim de semana de novembro ou o primeiro de dezembro. Os estudantes que tenham si- do prejudicadospelos cabeça- lhostrocados poderãoentrar com um requerimento a partir de amanhã no site do Enem. A DefensoriaPública da Uniãovai recomendaraoMi- nistério da Educação (MEC) a anulação dasprovas aplicadas no fimde semana.Caso ogo- verno não acate o pedido, o ór- gão ajuizará uma ação civil pú- blica contra a pasta. A Gráfica RR Donnelley, res- ponsável pela impressão das provas, encaminhou, ontem, no- taao InstitutoNacional deEs- tudos e Pesquisas Educacionais (Inep), explicando que a manu- tenção do sigilo do conteúdo das provas impedia que elas fossem revisadas apósimpressas. Esse seria, então, o motivo que levou um lote de 21mil cadernos de prova amarelos a apresentarem erro na montagem.

COLETIVA

– Ministro da Educação, Fernando Haddad, e presidente do Inep, Joaquim Soares Neto (ao fundo)