Parâmetros científicos para mudar o Código Florestal Brasileiro

Atualmente, o Br asil ocupa o 13º lugar no r anking m undial de pr odução científica. Se em 1990 a pr odução no setor cor- r espondia a 0,62% de tudo o que é pr oduzido no m undo , em 2008 esse per centual passou par a 2,12%. O a v anço também pode ser per ce bido na g r aduação dos estudiosos. Em 2009, f or am f ormados mais de 11 mil dou- tor es. O que corr esponde a 134% mais que em 1999, quan- do menos de 5 mil alcançar am esse nív el de estudo . Atual- mente, cer ca de 230 mil pes- quisador es estão em ati vida- de, 82% mais que em 2000. Ontem, cientistas r epr esen- tados pela Academia Br asilei- r a de Ciência (ABC) e pela So- ciedade Br asileir a par a o D e- sen v olvimento da Ciência (SBPC) entr egar am uma carta os candidatos à Pr esidência Dilma Rousseff (PT) e J osé Serr a (PSDB), além de depu- tados feder ais e senador es eleitos. Eles defendem que as alte- r ações no No v o Código Flor es- tal, que tr amita no Cong r esso Nacional e tem sido se v er a - mente criticado por ambienta- listas, seja feita com base em parâmetr os científicos. No documento , os pesquisa- dor es lembr am que a com uni- dade científica instituiu g rupo de tr a balho par a estudar as modificações. O objeti v o é en- tr egar o r elatório técnico com as sugestões de m udanças em dez embr o . Assim como na Agenda de Ciência, T ecnolo gia e Ino v a - ção , com as r ei vindicações dos cientistas ao próximo g o v e r- nante, no documento sobr e o Código Flor estal é defendida utilização dos r ecur sos natu- r ais de maneir a sustentáv el.

Pr esidenciáveis

Em encontr o com a SBPC, ambos os candidatos se com - pr ometer am em a bsor v er as pr opostas dos cientistas e pesquisador es. Dilma Rous - seff pr ometeu ampliar o s i n - v estimentos na ár ea nos mol - des pr etendidos pelos cien - tistas: o equi v alente a 2% do PIB. O d inheir o , afirmou a candidata, será destinado à pr oteção dos biomas natu - r ais, i n v estimentos em insti - tutos de pesquisa e aumento das bolsas de estudo . J osé Serr a afirmou que o do - cumento das entidades poderá ser seu pr o g r ama de go v erno par a o setor . O tucano também acr edita ser possív el c hegar ao in v estimento de 2% do PIB em ciência, desde que haja incen - ti v os à iniciati v a pri v ada.

Divulgação

AMAZÔNIA – P r opostas de cientistas sobr e novo código flor estal serão entr egues em dezembr o