Mais uma dor de cabeça na campanha

Não sei se foi pr evisto ou não, mas eles fazem no piloto automático. Lembra a tr opa dos nazistas? É típico de movimentos fascistasJosé Serra (PSDB), candidato à Pr esidência

Filho de vereadora começou a briga, dizem testemunhas

Paulo Mar cio V az

O jornaleir o Ricar do J osé esta v a com sua banca a berta bem em fr en - te ao local onde começou o inci - dente que fez com que o candidato do PSDB à Pr esidência, J osé Serr a, f osse atingido ontem, na ca beça, por um r olo de adesi v os utilizados na campanha. Segundo Ricar do , um g rupo de cer ca de 60 ca bos eleitor ais da pr esidenciáv el do PT , Dilma Rousseff , costuma ocupar , diariamente dur ante a campanha, o calçadão de Campo Gr ande, onde Serr a decidiu f az er sua caminhada. O jornaleir o disse ao

JB

que o pr o - blema começou quando partidá - rios de Serr a f orçar am a passagem de sua comiti v a por entr e os ca bos eleitor ais petistas, e que a primeir a pessoa a partir par a a ag r essão , segundo r elatos ouvidos pelo jor - naleir o , teria sido o filho da v e - r eador a tucana Lucinha, que tem base eleitor al na Zona Oeste e f oi eleita deputada estadual em 3 de outubro. – T udo aconteceu em fr ente à minha banca. O pessoal do Serr a v eio f orçando a passagem par a cima do pessoal da Dilma – gar ante Ri - car do . – O que eu ouvi de quem esta v a na confusão f oi que o pri - meir o a partir par a a ag r essão f oi um dos filhos da v er eador a Lucinha. O jornaleir o não soube diz er , no entanto , se ha via uma pré-dispo - sição do g rupo petista de causar pr oblemas ou impedir a passagem da comiti v a tucana. Mas r essaltou que, ao in vés de os militantes pe - tistas estar em espalhados pelo cal - çadão , como f az em ha bitualmente, desta v ez, todos esta v am ag rupa - dos em fr ente à sua banca, antes da passagem de J osé Serr a. O

JB

entr ou em contato com a assessoria da v er eador a Lucinha, que não conseguiu localizá-la, nem aos seus filhos, mas confir- mou que os três acompanhar am a caminhada de J osé Serr a em Campo Gr ande.

Nota

Em nota, a campanha de Serr a afirmou que “dur ante caminhada pacífica em Campo Gr ande (RJ), com m uita aceitação popular , a comiti v a do candidato à Pr esidên- cia da República J osé Serr a f oi sur pr eendida por militantes da campanha ad v er sária, que ten - tar am impedir -lhe o a v anço (...) Nossa candidatur a r eafirma sua posição pela paz, tolerân - cia e um go v erno de unidade nacional, pois entende que es - se é o único caminho par a o pr o g r esso no Br asil”. O PT também se manifestou oficialmente, por meio do secr e- tário-ger al do partido , o deputado feder al J osé Eduar do Car doz o , que lamentou o incidente, mas não poupou a campanha tucana: – Eu lamento o incidente. Isso não é bom. Em momento algum o nosso partido incenti v a esse tipo de ação – afirmou Car doz o . – Ago- r a, essa campanha (do PSDB) ins- tiga o ódio e isso não parte de nós. Infelizmente, f or am eles que co- meçar am essa campanha de ódio . Mas somos contr a qualquer ato de violência e não aceitamos ações como essa.

Com agências

Antonio Scor za/AFPN O R I O – Serra foi atingido por r olo de fita adesiva

Mais uma

Para especialistas, é impr ovável que incidente envolvendo José Ser ra mude o cenário eleitoral

Ana Paula Siqueira

BRASÍLIA

A confusão em que se encon- tr ou o candidato J osé Serr a (PSDB) no Rio d e J aneir o ontem será e xplor ada por sua campanha como arma par a angariar v otos, segundo especialistas consulta- dos pelo

JB

. No entanto , eles a v a - liam como impr o váv el qualquer m udança substancial decorr ente do episódio . Em caminhada em Campo Gr ande, Zona Oeste do Rio , o tucano f oi atingido por um r olo de fita adesi v a na ca beça, dur a nte confr onto entr e m ilitan- tes do PT e do PSDB. P a r a os especialistas, o episó- dio é mais um escândalo na cam- panha pr esidencial, mar cada por tr oca de acusações e denúncias de ambos os lados. O sociólo go e cientista político Antonio Fla vio T esta, da UnB, diz que o fer v or dos ânimos é natur al na r eta final. T esta acr edita que essa é mais uma estr atégia de desesta biliza- ção de ad v er sários, e não descarta que até mesmo a ida de Serr a a um hospital seja cer cada de um certo “e xager o midiático”. O sociólo go pr e vê que a tendência é que o nív el da campanha pior e ainda mais até o dia da eleição . – A campanha está m uito acir- r ada. Em todos esses tum ultos que acontecem, as claques são or ganizadas. Em qualquer cam- panha tem isso . M as, se aconte- ceu, é por que a segur ança do Ser- r a f alhou também – analisa. – O conflito não de via ocorr er , mas é natur al. E não cr eio que vá m udar em nada (o cenário político). O cientista político Raf ael Cor- tez, da T endências Consultoria, também vê com natur alidade o confr onto entr e os militantes. Ele acr edita que ha v erá tentati v a de usar politicamente o episódio , mas também não vê como isso possa beneficiar a campanha tu- cana. Difer ente de no v as denún- cias en v olv endo o go v erno , que poderiam pr ejudicar a candidata do PT , Dilma Rousseff . – Vão tentar e xplor ar politi- camente, mas n ão v e jo nada mais r ele v ante. É esporádico , mas não tr az nenhum ar gumento no v o – a v a - lia. – Rele v ante é o nív el da cam - panha, que inflamou os dois lados.

“Derr ota para a democracia”

P ar a o sociólo go Luiz W erne - c k V ianna, da (UERJ), “a cam - panha está tomando um caráter ruim”. Ele lembr ou o viés r e - ligioso que o embate pr esiden - cial tomou nas últimas semanas e a v alia que a maior derr ota é par a a democr acia. – Essa campanha v ai ser ines- quecív el pelo v eneno que e xistiu nela – critica o sociólo go . Em entr e vista à impr ensa após o incidente, J osé Serr a criticou a atitude dos militantes petistas e afirmou que o incidente par eceu de caso pensado: – Me par eceu uma coisa bem or - ganizada. É uma coisa que puxa par a o ódio . Não v ejo crítica n uma r elação entr e inimigos, mas n uma r elação entr e ad v er sários – alfinetou Serr a. – O PT tem tr opa de c hoque. Não sei se f oi pr e visto ou não , mas eles f az em no piloto automático . Lembr a a tr opa dos nazistas? É tí - pico de mo vimentos f ascistas.

dor de cabeçana campanha