Antropólogo defende esposa coreógrafa que acusou Monica Serra

Acadêmico italiano se diz constrangido, mas afir ma que Sheila “faria tudo outra vez”

Ana Paula Siqueira

O antr opólo go italiano Massi- mo Cane v acci, marido de Sheila Cane v acci, a cor eóg r a f a que afir- mou ter ouvido de Monica Serr a a admissão de um a borto , saiu em defesa de sua esposa ontem. Ao f alar com e xclusi vidade ao

JB

, ele r eafirmou o que r e v elou Sheila em uma r ede social, e admitiu ter se sur pr eendido com o efeito que um depoimento na internet possa ter na eleição pr esidencial. Cane v acci, pr ofessor de an - tr opolo gia cultur al da Uni v er - sidade de Roma La Sapienza e da Uni v er sidade F eder al de Santa Catarina, conta que f oi “constr angido” a jur ar que, de f ato , é marido da cor eóg r af a. Isso após ela escr e v er no F ace - book que pr esenciou a esposa do pr esidenciáv el J osé Serr a contar que teria feito um a bor - to , quando o casal vi via no e xí - lio , dur ante a ditadur a militar . Sheila tem tido dificuldades par a dormir após a r eper cussão que suas r e v elações ganhar am. O antr opólo go contou à r eportagem que, em alguns momentos, a dan- çarina f ala em arr ependimento . Mas ele acr edita que ela f aria tudo outr a v ez. – Ela tem tr ansparência e fez simplesmente um comentário que em qualquer país seria r e - ce bido de uma f orma m uito sim- ples. Eu também não teria ima- ginado esse tipo de r esponsa bi- lidade – conta Cane v acci. P ar a ele, que confirmou ao

JB

o que r e v elou sua esposa tanto na internet como ao jornal

Corr eio do Brasil

, mais g rave que o a b orto ser tr atado como tema de campanha pr esidencial é “a possibilidade de um candidato contr adiz er o seu próprio discur so”. – A c ho que o a borto não de via ser o ar gumento da campanha elei - tor al. A questão é um candidato à Pr esidência da República. A m u - lher dele não pode diz er o que diz – critica o antr opólo go . – É g rave f alar uma coisa f alsa. E sobr e o a borto cada um tem uma visão . Monica Serr a er a pr ofessor a de Psicolo gia do Desen v olvimento A p licada à Dança, na Uni v er sidade Estadual de Campinas (Unicamp) quando teria feito as r e v elações a um g r upo de alunas, em 1992.

SILÊNCIO

– Esposa de José Ser ra evitou r esponder se entraria na Justiça contra a acusação de abor to

SURPRESA

– Antr opólogo italiano não esperava a r eper cussão do caso Divulgação

Cane v acci também critica seto - r es da impr ensa e afirma que se a história ti v esse se passado com a candidata do PT , Dilma Rousseff ao in vés de Monica Serr a, “o nome dela (Sheila) estaria na primeir a página diz endo que a Dilma é f alsa”.

Resposta tucana

No último sábado , três dias após a primeir a notícia sobr e o suposto a borto de Monica, a a s- sessoria da campanha tucana en- viou nota à impr ensa afirmando que a esposa de Serr a “n unca fez um a borto”, acusando a campa- nha petista de “jo go sujo”. Pr ocur ada ontem pelo

JB

para sa ber se pr etendia acionar judi - cialmente sua e x-aluna, a asses - soria de Monica afirmou que “tudo o que a campanha tem a diz er sobr e o assunto” f oi manifestado na nota, que não f ala v a em ação judicial. O cientista político Otaciano No - gueir a, da UnB, a v alia que a de - núncia contr a a m ulher de Serr a é mais um episódio de uma campa - nha consider ada por ele como a de “mais baixo nív el” da história. No - gueir a a v alia que o tema “esfriou” e ficou f or a do último de bate por cau - sa da r eper cussão negati v a do pos - sív el a borto cometido por Monica, e da má r eper cussão que a discussão em torno do tema causou. – Aborto não se discute em c a m - panha. O r esto é mar k eting. Eles se apr o v eitam disso par a c hamar a atenção . Isso é lastimáv el. Eles ti - nham que tr az er solução par a esse pr oblema. É r ealmente uma cam - panha de baixíssimo nív el. Sem pr ojetos, sem pr o g r amas, sem pr o - messas – a v alia o cientista. – Os dois candidatos estão no mesmo nív el, tem as mesmas posições. Se es - condendo atrás do ób vio .

Abor to não se discute em campanha. Eles se apr oveitam disso para chamar a atenção. É uma campanha de baixíssimo nívelOtaciano Nogueiracientista político da UnB

Ela (Sheila) tem transparência e fez um comentário que em qualquer país seria r ecebido de uma for ma muito simplesMassimo Canevacciantr opólogo, marido de Sheila Canevacci