T ucanos lideram a corrida regional

-->Características locais fazem a difer ença na hora do voto, mas PT e PMDB não per deriam espaço de poder-->Ana Paula Siqueira-->BRÁSÍLIA-->O go v erno Lula tem os maior es índices de popularidade da his- tória do país e sua candidata à Pr esidência, Dilma R ousseff (PT), tem boas c hances de ser a próxima pr esidente do país. Con- tudo , quando se obser v a as pes- quisas de intenção de v oto nos estados, é possív el per ce ber que o desempenho do PSDB, partido do principal ri v al do PT na corrida ao Planalto , J osé Serr a, v ai m uito bem na disputa pelos go v ernos r egionais. Em sete estados, as c hances de um tucano se tornar go v ernador são g r andes. O PSDB tem a lider ança em São P aulo , T ocantins, Ror aima, P ar a - ná, P ará, Minas Ger ais e Goiás, de acor do com as últimas pesquisas do Ibope. O PT e o PMDB tem g r andes c hances de eleger cinco go v ernador es cada. O Distrito F eder al é um dos entes feder ati v os que podem fi - car sob o comando de um pe - tista: Agnelo Queir oz. A disputa tomou um rumo difer ente em Br asília. Isso por que o e x-go v er - nador J oaquim Roriz (PSC), im - pedido de se candidatar pela Lei da F ic ha Limpa, inf ormou na última semana que sua es - posa, W eslian Roriz, seria a can - didata em seu lugar . Antes mesmo da indefinição do Supr emo T ribunal F eder al (STF), que após empate sobr e a decisão de aplicar ou não a F i - c ha Limpa nestas eleições adiou a decisão , o desempenho de Roriz, então f a v orito na dis - puta, começou a cair . No Rio de J aneir o , o g o v erna- dor Sér gio Ca br al (PMDB) poderá ser eleito ainda no primeir o tur- no . As pesquisas apontam 59% das intenções de v oto .-->Cultura política-->P ar a o pr ofessor Da vid Fleisc her , cientista político da UnB, a disputa r egional tem uma dinâmica dife - r ente do que ocorr e em eleições majoritárias. Como não há mais a obrigatoriedade das alianças na - cionais se r epetir em em âmbito r e - gional, ele acr edita que essa di - nâmica aca be pr e v alecendo no es - colha dos go v ernador es. – As f orças políticas estaduais têm configur ações m uito difer entes e co - ligações di v er sas. Não m uito coin - cidentes com as nacionais – diz. Já o cientista político Eurico F igueir edo , da UFF , a v alia que, apesar de o PT não ser o ca beça de c hapa de várias coligações que participa, aca ba ajudando os can- didatos aliados. No caso do PMDB, ele a v alia que o partido mantém a postur a de sempr e e s- tar coligado a outr as legendas. – O PT v ai bem no Rio Gr ande do Sul, que é um estado importante. Muitas v ez es, o PT não apar ece como ca beça de c hapa, mas como coligação – analisa. – Em São P aulo ele não está bem, possi v elmente não vá ao segundo turno , mas tam - bém não está tão ruim. Em Alagoas e Rondônia, a dis- puta segue embolada. No primei- r o , o e x-pr esidente F ernando Col- lor (PTB) disputa ponto a ponto o go v erno do estado com Ronaldo Lessa (PDT) e T eotonio V i lela (PSDB). Eles têm, r especti v amen - te, 29%, 28% e 27% das intenções de v oto . Em Rondônia, J oão Cahul - la (PPS) tem 24% da pr eferência, seguido por Expedito Júnior (PSDB) e Confúncio Mour a (PMDB), ambos com 22%.-->PSB-->Quem anda m uito bem nas pes - quisas de intenção de v oto é o PSB. A legenda tem quatr o candidatos lider ando a disputa estadual. Des - ses, três deles tem mais de 60% das intenções de v oto . P er centual igual não f oi alcançado por nenhuma outr a legenda. O go v ernador de P ernambuco , Eduar do Campos, é o que apr e- senta melhor es númer os. Ele con- ta com 73% das intenções de v oto . Seus colegas de partido , o sena- dor Renato Casag r ande (ES) e Cid Gomes (CE) tem 61% da pr e- ferência dos entr e vistados. Já o PV , partido da candidata Marina Silv a, que v em cr escendo nas pesquisas de intenção de v oto e poderá ser decisi v o caso a dis- puta pela Pr esidência vá par a o segundo turno , não tem um cor- r eligionário lider ando a disputa. Nem mesmo F ernando Ga beir a, que se saiu r elati v amente bem na disputa pelo go v erno m unicipal em 2008, consegue ultr apassar os 16%, de acor do com o Ibope. P ar a Eurico F igueir edo , o PV cr esceu mais por Marina Silv a do que por seu próprio mérito . e não de v e ha v er g r andes vir adas. – O PV contin ua sem e xpr essão no Br asil e no m undo . Não passa de 10% – afirma o pr ofessor , par a quem a sociedade ainda não con - segue digerir o discur so da pr e - ser v ação ambiental, sem que antes pr oblemas básicos como sanea - mento e educação sejam tr atados.