Para especialista, debate foi sonolento, mas de alto nível

-->Cientista da FGV diz que Marina Silva subestimou experiência dos adversários-->Ana Paula Siqueira Paulo Mar cio V az-->A f alta de ag r essi vidade no de bate de ontem entr e os prin - cipais candidatos à Pr esidên - cia sur pr eendeu positi v amente o cientista político da Funda - ção Getúlio V ar gas F ernando W eltman, que, mesmo r econhe - cendo o caráter “sonolento” do encontr o , consider ou o compor - tamento dos p r e s i d e n c i á- v eis de um ní - v el bastante e l ev a d o. – A situação na qual se en - cont rava o eleitor ado antes do de bate não v ai m udar em nada. O negócio é que nós não sa bemos qual é es - sa situação , já que os institutos de pesquisa não estão se en - tendendo m uito bem – disse o cientista. W eltman comentou ainda o f ato de Marina Silv a ter , apa - r entemente, tentado ser um pouco mais ag r essi v a do que nos outr os encontr os, pr o v o - cando J osé Serr a e Dilma Rous - seff . Segundo ele, a v er de me - nospr ez ou a e xperiência dos lí - der es nas pesquisas. – Ela fez uma campanha be- líssima, mas neste de bate, se esqueceu que Dilma e Serr a são m uito bem pr epar ados – a v a - liou. – Ambos saír am-se m uito bem ao r esponder aos questio - namentos de Marina Silv a.-->Pr opostas-->Dur ante o de bate temas como tr a balho e tributação f or am tr a - tados. Dilma R ousseff (PT), des- tacou o que f o i feito pelo pr e- sidente Lula e defendeu os di- r eitos tr a b a- lhistas, como 13° salário e f é- rias. Marina Sil- v a também de- fendeu a m an u- tenção dos dir eitos e a simpli- ficação do pr ocesso de contr ata- ção par a r eduzir os índices de inf ormalidade no país. Com r elação aos impostos, o candidato J osé Serr a defendeu a apr o v ação da r ef orma tributária. Criticado por Plínio de Arruda Sampaio de quer er f a z er uma c o- br ança desigual dos tributos, pr e- judicando os mais pobr es, o tu- cano negou. Segundo ele, além de ali viar o peso dos impostos de quem tem menor r enda, também pr etende combater à sonegação fiscal e desoner ar os pr odutos da cesta básica.-->Foi um debate sem graça, que não acr escentou nada. É pr eciso r epensar o for mato, com mais jor nalistasHélio Doylepr ofessor da UnB-->“-->Falta de agr essividade no encontr o de ontem entr e os principais candidatos surpr eendeu-->“-->A situação na qual se encontrava o eleitorado antes do debate não vai mudar em nadaFer nando W eltmancientista político da FGV-->ELAS -->– Marina diz que gostaria de ver duas mulher es no segundo tur no