Formato de debates na TV é antigo e precisa ser revisto, diz professor

-->Paulo Mar cio V az-->O pr ofessor de com unicação da Uni v er sidade de Br asília (UnB) Hélio Do yle, ac hou o de - bate de ontem “morno” e de - sinter essante. P ar a ele, já é ho - r a de o f ormato dos de bates elei - tor ais na tele visão ser em r e vis - tos, e suger e ainda que a própria TV pública e até a internet in - terfir am nessa questão . – F oi um de bate sem g r aça, que não acr escentou nada. É pr eciso r epensar esse f ormato , talv ez com mais per guntas fei - tas por jornalistas. O pr oblema é os candidatos e suas asses - sorias aceitar em as m udanças – afirma o pr ofessor . P ar a Do yle, os candidatos já estariam viciados em pr o v ocar per guntas dur ante os de bates, já pensando em suas réplicas, quan- do aca bam f alando de pr opostas pré-ar quitetadas, f az endo com que não ocorr a qualquer situação de sur pr esa que poderia deses- ta bilizar seu desempenho . P ar a r esolv er essa questão , o pr ofessor suger e que o s candida- tos não f açam tantas per guntas entr e si. – É pr eciso maior inter v enção de jornalistas e até da população dur ante as per guntas. Os candi- datos de v e m r esponder , e não per- guntar – suger e. Do yle também lamenta o h o- rário escolhido pelas emissor as de TV par a apr esentar os de bates, o que, segundo ele, afugenta m u i- tos espectador es. Ele suger e que as TVs públicas também passem a pr oduzir este tipo de pr o g r ama: – Na TV pública não e xiste o inter esse comer cial. Com isso , não ha v eria tantos inter v alos, e os horários também poderiam ser mais adequados.